A nova Escola de Impacto surge com o objectivo de promover a inclusão social através da empregabilidade. Queremos construir um ecossistema de parcerias que contribua para comunidades inclusivas e resilientes, pois acreditamos que podemos evoluir juntando pessoas criativas, comprometidas e focadas num propósito comum
POR CÉLIA INÁCIO

A Fundação Ageas é uma organização corporativa agregadora de pessoas e parceiros, que promove actividades de solidariedade social junto da comunidade. Durante 18 anos de actividade, focámos a nossa atenção no voluntariado corporativo. A maioridade foi um bom momento para uma reflexão profunda.

Foi o que aconteceu em 2016, em que a Fundação repensou a sua estratégia e desenvolveu uma nova visão, projectando-a para o futuro: “contribuir para comunidades inclusivas e resilientes”. Nesta fase, trabalhámos em parceria com o IES – Instituto de Empreendedorismo Social – para aprofundar o nosso conhecimento, conhecer as tendências e assegurar-nos que estávamos no bom caminho. O eixo estratégico Empreendedorismo e Inovação Social nasceu precisamente neste âmbito e com o propósito de aumentar o impacto social da Fundação Ageas na comunidade.

Apesar de haver cada vez mais modelos de negócio inovadores e incentivos à capacitação com impacto na sociedade, há ainda um longo caminho a percorrer para fazer crescer o empreendedorismo no sector social e criar um impacto claro e visível. É neste contexto que a Fundação Ageas decidiu actuar, alargando a sua intervenção. O nosso objectivo é construir um ecossistema de parcerias que contribua para comunidades inclusivas e resilientes, pois acreditamos que podemos evoluir para um mundo melhor, juntando pessoas criativas, comprometidas e focadas num propósito comum.

Este momento de definição coincidiu com a entrada do piloto Impact Hub em Lisboa, uma organização reconhecida a nível global pelo desenvolvimento de projectos de impacto que visam a transformação da sociedade. Essa transformação, que é também uma ambição da Fundação Ageas, motivou o nosso contacto com esta rede de empreendedorismo de impacto e inovação social, assim que soubemos que a equipa estava criada.

Da colaboração com o Impact Hub Lisbon surgiu a Escola de Impacto, com o objectivo de promover a inclusão social através da empregabilidade. Um programa inovador que pretende identificar perfis e experiências nas populações em situação de vulnerabilidade social. O processo de criação foi muito interessante e apaixonante e a ideia nasceu rapidamente. No decorrer deste processo, ouvimos algumas instituições do Terceiro sector, parceiras da Fundação Ageas, como a ACA – Associação Conversa Amiga, a AMI, a CAIS, a CASA – Centro de Apoio aos Sem-abrigo, o Centro Sagrada Família, a Comunidade Vida e Paz, a instituição SAOM, e a Serve the City, que contribuíram com a sua experiência no terreno, nomeadamente na definição do perfil do público-alvo deste programa.

[quote_center]O programa vai envolver profissionais da rede Impact Hub Lisbon, voluntários da Fundação Ageas e mentores[/quote_center]

A parceria com o Impact Hub é estratégica para o sucesso deste ambicioso projecto, no que diz respeito à gestão e coordenação do programa, mas também e sobretudo pela oportunidade dos participantes entrarem num mundo tão dinâmico como esta combinação de laboratório de inovação, incubadora e co-work. O programa Escola de Impacto não é apenas um programa de capacitação, precisamente pelas características desta organização.

O programa apresenta-se como um complemento ao trabalho efectuado pelas instituições de solidariedade social e pretende ser uma opção no momento de escolher um caminho no plano de vida de pessoas em situação de vulnerabilidade social. A Escola de Impacto visa dotar os participantes de valências técnicas, motivação e capacitação para a empregabilidade e empreendedorismo, através, nomeadamente, de um acompanhamento com recurso a mentoria. A nossa expectativa é que esta iniciativa torne a prática e a experiência de cada participante numa ferramenta susceptível de criar empregabilidade, através de um negócio próprio ou por conta de outrem.

O programa, com uma duração de 14 semanas, num total de 168 horas, prevê envolver vários profissionais da rede Impact Hub Lisbon, bem como voluntários de competências da Fundação Ageas e mentores. Desenrola-se em 3 fases: selecção de ideias; formação e modelo de negócio; e aceleração e apresentação final.

Queremos que esta 1ª edição da Escola de Impacto, que arranca a 21 de Março, seja uma experiência de sucesso para os participantes, e que o resultado obtido nos projecte para muitas outras edições. Acredito que este tipo de iniciativas, lançadas por organizações corporativas ou pelas próprias empresas, têm a capacidade de semear resiliência e sustentabilidade no Terceiro sector a médio e longo prazo.

Por essa razão, penso ser relevante integrar duas vertentes: por um lado, a multiplicação de projectos corporativos focados na resolução de problemas social e economicamente estruturantes, como a empregabilidade, por serem cruciais na construção de uma sociedade mais justa, equilibrada e forte; e por outro, a análise das ideias e projectos socialmente responsáveis à luz dos ODS – Objectivos de Desenvolvimento Sustentável -, fixados pela ONU, o que é fundamental para criar respostas consistentes.

De resto, o programa que a Fundação Ageas acaba de lançar pretende contribuir para o desenvolvimento de dois ODS: “Parcerias para a implementação dos objectivos” (nº 17) e “Trabalho digno e crescimento económico” (nº 8).