Martin Burt acredita que é necessário perguntar aos pobres – e não aos que se dedicam, de uma forma ou de outra, em todo o mundo, a avaliar a pobreza -, o que realmente significa ser pobre. Empreendedor social, fundador da Fundación Paraguya e co-criador da ferramenta “semáforo da pobreza”, Burt tem uma visão muito própria e pouco convencional sobre as formas vigentes de se aliviar a pobreza. A seu ver, e para que os programas anti-pobreza possam ser eficazes têm de ser moldados de acordo com as perspectivas e prioridades dos próprios pobres. E é a isso que dedica grande parte da sua vida
POR HELENA OLIVEIRA

“E se quase tudo o que julgamos saber sobre a pobreza estivesse errado? E se as legiões de decisores políticos, cientistas sociais, economistas, trabalhadores da área do desenvolvimento, caridades e ONGs que marcham por todo o globo, têm estado a utilizar a estratégia errada, e as tácticas erradas, para travar a guerra errada contra a pobreza?

Com as melhores das intenções, temos tentado ajudar as pessoas pobres a subir a escada que as afasta da pobreza em nome da justiça social e económica. Mas e se estivermos a inclinar a escada errada na parede errada? E se o facto de estarmos errados acerca do problema da pobreza for a única coisa que se mantém no caminho para encontrarmos uma solução para a mesma?”

O presente excerto é escrito por Martin Burt, empreendedor social e fundador da Fundación Paraguya, que promove o micro empreendedorismo e o empowerment económico como ferramentas para aliviar a pobreza. Burt é também co-criador do sistema Poverty Spotlight o qual visa, em termos muito gerais, identificar, pela voz dos próprios pobres, as áreas das suas vidas que mais melhorias necessitam. É que Burt acredita que é necessário perguntar aos pobres – e não aos que se dedicam, de uma forma ou de outra, em todo o mundo, a avaliar a pobreza -, o que realmente significa ser pobre. E talvez seja esta a pergunta de partida que é comum a todo o trabalho que Martin Burt realiza desde há décadas.

É imperioso que os pobres participem na definição de pobreza, não ficando esta fechada em gavetas de gabinetes de estudiosos e estatísticos, nem como apenas mais um fardo para os governos

A Fundación Paraguya nasceu em 1985, Burt foi presidente da Câmara da capital Asunción entre 1996 e 2001 e serviu como chefe de gabinete do presidente do Paraguai em 2012 e 2013, para além de ter ajudado a fundar também a Teach a Man to Fish, uma rede global que ajuda a estabelecer escolas auto-suficientes em áreas rurais, arranjando ainda tempo para escrever livros sobre economia, governança e poesia. E o excerto acima citado faz exactamente parte da sua mais recente incursão na escrita e com um título que também parece sumarizar as ideias pouco convencionais que Burt tem da pobreza. “Who Owns Poverty?” foi publicado em Setembro último e tem como enfoque as memórias de uma década passada sobre a sua tentativa de erradicar a pobreza multidimensional através da já falada iniciativa Poverty SpotLight (lançada em 2009), com estudos que comprovam que as famílias que a adoptaram têm três vezes mais de possibilidades de escapar a esta condição comparativamente às que não o fizeram.

Martin Burt visa explorar o que acontece quando se analisa a pobreza a partir do ponto de vista dos seus principais especialistas: as famílias pobres

E é essencialmente sobre a sua visão muito própria sobre a definição de pobreza que Burt escreve – sem evitar, contudo, elucidar sobre as demais visões vigentes com uma clareza que nos obriga realmente a questionar muito do que temos dado como adquirido nesta condição que, em grandes números, atinge cerca de 3,4 mil milhões de pessoas em todo o mundo – centrando-se também na história bem-sucedida da sua Poverty Spotlight e em duas questões fundamentais: se é verdade que existem múltiplas organizações e iniciativas, públicas e privadas, com e sem fins lucrativos que têm como missão aliviar a pobreza e os seus efeitos complexos, por que é que tantos destes esforços falham e o que é que podemos fazer de diferente? E ao escolher também uma pergunta para título do livro, livremente traduzido como “Quem é que é dono da pobreza?”, o empreendedor social e autor visa explorar o que acontece quando se analisa a mesma a partir do ponto de vista dos seus principais especialistas: as famílias pobres. Para Burt, esta mudança de perspectiva altera tudo o que sabemos sobre pobreza e sobre o que podemos fazer para a mitigar. Numa entrevista concedida à Nextbillion, Martin Burt explica por que motivo é imperioso que os pobres participem na definição de pobreza, não ficando esta fechada em gavetas de gabinetes de estudiosos e estatísticos, nem como apenas mais um fardo para os governos. E vale a pena ler e reflectir sobre as suas palavras.

A pobreza precisa de ser “devolvida” aos pobres

Martin Burt sente-se frustrado com a forma como os governos fazem uma abordagem “de cima para baixo” da pobreza, afirmando que, no melhor dos casos, estes aspiram apenas ou a reduzi-la ou a aliviá-la através de investimento de capital ou de programas de assistência social, nunca tentando eliminá-la de vez, pois simplesmente não acreditam que tal seja possível.

A pobreza tem de ser “devolvida” aos pobres caso exista uma guerra a ser ganha e uma dignidade a ser restaurada

Crente que através da auto-ajuda, encorajamento, mentoria e solidariedade, os seres humanos são mais capazes de se livrar desta condição que os acorrenta, afirma que a escolha do título para o seu livro se deve à tentativa de desafiar o paradoxo subjacente à esmagadora maioria dos programas anti-pobreza. Ou seja, a ideia comum que diz que libertarmo-nos da pobreza é um direito humano fundamental e um bem público, e que por isso mesmo é o Estado o principal garante da protecção dos direitos dos mais pobres. Apesar de não retirar as responsabilidades dos governos no que a esta matéria diz respeito, Burt afirma que um dos principais problemas reside no facto de aos pobres não ser permitido participar na definição de pobreza, sendo estes relegados para segundo plano numa narrativa que, afinal, é a das suas próprias vidas. Ou seja, eles são, somente, recipientes passivos da definição de pobreza formulada por outrem e, consequentemente, são colocados fora dos corredores das decisões que a seu respeito são tomadas e incapazes de articular as suas próprias perspectivas e prioridades. E é por isso que garante que a pobreza tem de ser “devolvida” aos pobres caso exista uma guerra a ser ganha e uma dignidade a ser restaurada.

O autor não se escusa também de criticar os próprios Objectivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), na medida em que os “especialistas” os definiram como pobreza, fome, saúde, educação, género, saúde, entre vários outros, e os avaliam puramente enquanto problemas “estruturais” excluindo os pobres de participarem nas soluções possíveis para os mesmos. Como escreve, a pobreza de uma pessoa é, em parte, ou no seu todo, definida como sujeita a forças que estão para além do seu controlo. E, acrescenta, a verdade é que uma pessoa pode até ser capaz de aumentar o seu rendimento mas não tem qualquer influência sobre os factores estruturais que podem contribuir para melhorar a sua vida, tal como as distorções comerciais nos mercados agrícolas globais, a resiliência do país no que respeita a eventos climáticos ou o facto do ministro da Saúde fornecer ou não financiamento adequado para um novo hospital. Em contrapartida, diz, temos é de perguntar aos pobres o que significa para eles não serem pobres e envolvê-los no desenho de processos para programas anti-pobreza.

A pobreza de uma pessoa é, em parte, ou no seu todo, definida como sujeita a forças que estão para além do seu controlo

Por outro lado, acusa também, os especialistas definem a pobreza apenas a partir de termos monetários ou seja, ser pobre é, simplesmente, não ter dinheiro suficiente. E fazem-no, acrescenta, para que as suas análises estatísticas e comparações funcionem. Assim e a seu ver, esta via é demasiado reducionista e evita a solução do problema, pois não considera a alegria, a generosidade, a criatividade, a resolução de problemas e o espírito empreendedor que são visíveis no terreno. Como assegura, o micro-empreendedorismo é muito mais do que a classificação binária entre pobres e não-pobres, sendo que as suas vidas são muito mais do que apenas a constatação de viverem com um ou dois dólares por dia. E também foi por tudo isto que, em conjunto com os seus clientes da micro-finança – que, para Burt, são os verdadeiros especialistas – que foi desenvolvida a iniciativa Poverty Spotlight.

Luz verde para a redução da pobreza

O Poverty Spotlight é uma inovadora e pioneira ferramenta de avaliação da pobreza, a par de uma metodologia de coaching. Permite às famílias pobres, através da utilização de um questionário visual, num tablet com imagens e as cores vermelha, amarela e verde, fazerem um autodiagnóstico do seu nível de pobreza em 50 indicadores divididos por seis dimensões. As dimensões em causa incluem rendimento e emprego, saúde e ambiente, educação e cultura, habitação e infra-estruturas, organização e participação e interioridade e motivação. As famílias pobres constroem um “painel de bordo” ao invés de um índice agregado, desenvolvendo de seguida um plano customizado, denominado Mapa da Vida, no qual fazem um inventário dos seus pontos fortes para ultrapassarem as privações que têm de acordo com as suas prioridades. Este mapa permite detalhar 50 diferentes “domínios” da pobreza, por exemplo, se uma família “tem água canalizada”, ou seja, as famílias seleccionam as imagens, categorizadas pelas cores do semáforo, que visam identificar a sua “condição” e realidade face a cada um dos indicadores. O que é algo verdadeiramente revolucionário. Mais de 200 organizações em mais de 20 países utilizam já este “semáforo da pobreza”.

Adicionalmente, e através da geo-localização integrada numa app criada para o efeito, esta gera mapas de pobreza para comunidades inteiras, permitindo que os stakeholders se concentrem em medidas específicas, canalizando assim os melhores recursos num esforço conjunto para a eliminar ou mitigar.

O Poverty Spotlight permite às famílias, através da utilização de um questionário visual, num tablet com imagens e as cores vermelha, amarela e verde, fazerem um autodiagnóstico do seu nível de pobreza em 50 indicadores divididos por seis dimensões

Para Martin Burt, perguntar directamente a um trabalhador se ele é pobre, e quão pobre, é completamente diferente do que se for este a fazer o seu próprio autodiagnóstico, a ter consciência da sua condição e a lutar para recuperar a sua dignidade, trabalho que é feito em conjunto com os demais stakeholders. E, alerta, “torna-se mais fácil separar famílias pobres de famílias muito pobres”. A organização de Burt criou ainda uma “comunidade de boas práticas” que ajuda as famílias a responderem a questões tão díspares quanto “como é possível construir um quarto extra na minha casa”, ou “como é possível lidar com a violência doméstica”, questões estas que são depois transformadas em guias, de que é exemplo o que se dedica a ensinar “7 maneiras para a sua família construir um novo quarto”.

O Poverty Spotlight ajuda igualmente os programas governamentais e do sector privado já existentes a aumentar o seu impacto para eliminar a pobreza multidimensional. A ferramenta funciona com todos os tipos de famílias e tem como enfoque o agregado, funcionando através do empowerment e da auto-eficácia das famílias, sendo que estas são igualmente apoiadas por mentores e/ou assistentes sociais. As famílias colaboram também na troca de experiências e boas práticas para criar economias de escala, para se motivarem entre si para alcançarem melhores resultados e para alavancarem recursos existentes fornecidos pelo sector público, empresas privadas e ONGs.

Os decisores políticos esquecem-se que os pobres devem ser também decisores

Como explica Martin Burt, quando o programa foi desenvolvido, cedo se aperceberam que servir as pessoas que vivem na pobreza nada tem a ver com convencê-las sobre quais os problemas que enfrentam, pois elas sabem perfeitamente quais eles são. Tem sim, acrescenta, a ver com motivação e competências. Tem a ver com responder “sim” a duas questões: “vale a pena?” e “sou capaz de o fazer?”.

Burt sublinha ainda que a generalidade da informação sobre pobreza é extraída de dados obtidos pelos censos ou recolhida através de burocratas locais e não directamente a partir das famílias e comunidades. A verdade é que os decisores políticos que estão no topo acreditam serem eles os únicos decisores existentes no mundo. Esquecem-se que as pessoas pobres que estão na base da pirâmide são decisores igualmente importantes que resolvem problemas complexos relacionados com o bem-estar das suas famílias numa base diária. E como resultado – em conjunto com o facto de não terem ideia do que está a ser avaliado, como e em que altura – as famílias pobres não têm acesso à informação recolhida sobre as suas vidas e nenhum controlo sobre o que é feito com estes mesmos dados, nem por quem.

Para que os programas anti-pobreza possam ser eficazes têm de ser moldados de acordo com as perspectivas e prioridades dos próprios pobres

Assim, e ao invés, garante Burt, e para que os programas anti-pobreza possam ser eficazes têm de ser moldados de acordo com as perspectivas e prioridades dos próprios pobres. E essa compreensão deverá incluir muitos aspectos da pobreza para além da ausência de dinheiro, muitos dos quais são invariavelmente subjectivos. Ou e em suma, não deve ser ninguém “externo” a fazer as perguntas, muitas vezes delicadas, e a fazer avaliação, mas sim os próprios pobres.

O que Martin Burt sublinha, e com segurança, é que quando aos pobres é permitido fazerem perguntas difíceis, coisas inesperadas acontecem. E a primeira é olharem para as suas vidas de uma forma inteiramente nova. Como escreve, contam as suas bênçãos, fazem um inventário dos seus principais desafios e têm uma visão muito mais clara sobre o que é possível alcançarem. Ou seja, conseguem divisar o que significa ser “não-pobre” em cada um dos aspectos das suas vidas.

Como acrescenta o fundador da Fundación Paraguaya, para ajudar as famílias pobres a retirarem significado da “sua” informação sobre a pobreza, não podemos reduzir a riqueza da informação multidimensional a um único índice, percentagem ou score de pobreza. É claro que os índices que agregam informação sobre pobreza podem ser úteis para os decisores políticos, mas a forma como a definimos terá de ser enquadrada não apenas de acordo com orçamentos para programas, mas sim com resultados, e de acordo com a perspectiva da família que é “dona” dela: “somos uma família que consegue fazer poupanças; somos uma família que tem roupa adequada e comida nutritiva; somos uma família que poderá melhorar um bocadinho o orçamento doméstico”.

Para ajudar as famílias pobres a retirarem significado da “sua” informação sobre a pobreza, não podemos reduzir a riqueza da informação multidimensional a um único índice, percentagem ou score de pobreza

Para o futuro, Burt antevê a desigualdade como uma preocupação política que se tornará crescentemente mais grave e que, mais cedo ou mais tarde, a pobreza deverá ser considerada multidimensional e não apenas relacionada com o rendimento, sublinhando ainda que a avaliação da maioria dos pobres na actualidade está baseada no código postal do sítio onde nasceram ou cresceram.

“Até à data comportámo-nos como se fossemos donos da pobreza alheia”, declara ainda, acrescentando que são “os outros” que definem a agenda intelectual, os problemas, que constroem as ferramentas de avaliação e rastreio, que desenham os programas, que angariam o dinheiro e que prestam contas do impacto existente aos financiadores. Para o futuro, prevê que quando são os pobres os donos da sua própria pobreza e os detentores da responsabilidade para a eliminar – e quando for a sua voz a mais importante no processo de eliminação da pobreza – então o papel, os objectivos e os esforços das organizações de ajuda ao desenvolvimento terão de mudar.

Todavia, esclarece que esta ideia de fazer os pobres proprietários da sua própria pobreza não implica abandonar as responsabilidades que existem para com eles, nem que o fardo recaia, e obviamente, somente nos seus ombros. Mas Burt está convicto – e esperançado – que, no futuro próximo, quando se for chamado a trabalhar nesta área, deverão existir novas formas de colaboração e de interacção com as famílias em causa. E quando estas começarem a articular as suas necessidades e a apelarem à mudança, é importante que se esteja pronto a responder, de uma forma que respeite plenamente a sua autoridade e a sua auto-eficácia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here