No âmbito do Campeonato do Mundo de Futebol, a decorrer no Brasil, a Sony associou-se, mais uma vez, à FIFA e à rede Streetfootballworld, com a iniciativa “Dream Goal 2014”. O objectivo é simples: continuar a apoiar crianças e jovens que enfrentam problemas sociais, como a pobreza e o acesso limitado à educação, aliando o futebol às novas tecnologias para lhes proporcionar uma formação para a vida
POR MÁRIA POMBO

A parceria entre a Sony e a Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA) já não é nova. O “Dream Goal 2010”, um programa desenvolvido no âmbito do Mundial de Futebol da África do Sul, no mesmo ano, foi concebido para aliar os equipamentos de ponta e os recursos humanos desta líder de mercado dos videojogos com a magia do futebol, de forma a juntar pessoas e eliminar as desigualdades sociais, incentivando as crianças e os jovens a sonharem.

© DR

Em África, através da distribuição de ecrãs gigantes por diversos pontos do Gana e dos Camarões, a Sony permitiu que cerca de 24 mil pessoas pudessem ver os jogos de futebol e vibrar com as respectivas selecções e com os seus ídolos, ao mesmo tempo que incentivava a realização de testes de HIV e dava informações sobre este vírus. Quase cinco mil pessoas foram diagnosticadas com Sida, valor que representa mais do dobro do objectivo estabelecido no início da iniciativa.

Os “Dream Goals” são o reflexo do empenho da Sony, que quis associar-se à ONU e aos seus Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), através do uso da sua tecnologia avançada, capital humano e intelectual, e alcance global, e também de parcerias inovadoras entre os sectores público e privado. Estes programas pertencem ao leque das diversas iniciativas da empresa para ajudar as crianças do mundo inteiro, através da sua filosofia “for the next generation”, através da qual pretende contribuir assim para uma sociedade mais sustentável.

O programa deste ano permitirá ajudar crianças e jovens em 12 países da América Latina – entre os quais está o Brasil, na qualidade de anfitrião deste Mundial de Futebol – e de África. Para além de promover a prática desta modalidade com maiores níveis de segurança, o objectivo das actividades propostas é que estes jovens ganhem capacidades e conhecimentos ao nível das novas tecnologias, através de programas de capacitação profissional que lhes permitem encontrar emprego nesta área. No total, o gigante tecnológico espera apoiar mais de 14 mil crianças e jovens.

.
.
© DR
.

Potencial transformador
Entre os principais projectos do “Dream Goal 2014” destacam-se o “Street Football Stadium”, com o objectivo de criar ambientes desportivos seguros para as crianças, e o “Football for Hope Siyakhona Media Skills”, que pretende capacitar os jovens em situação de sem-abrigo, através de programas de formação na área do jornalismo e audiovisuais, com recurso a equipamentos Sony.

Shiro Kambe, vice-presidente sénior da Sony Corporation, afirmou à imprensa que o grupo espera “poder oferecer experiências verdadeiramente inesquecíveis a estes jovens”, salientando que os mesmos “têm nas suas mãos o potencial de transformar as próprias vidas”.

As actividades concebidas e promovidas pela Sony reflectem a sua filosofia de Responsabilidade Social Corporativa, que tem os olhos postos nas gerações futuras. Através de produtos que inspiram as comunidades e lhes dão vontade de fazer mais, o grupo acredita que consegue, não mudar o mundo, mas contribuir para uma sociedade mais justa e equilibrada. No fundo, este é também o principal objectivo do futebol inclusivo: ajudar os seus participantes a encontrar um equilíbrio, a fazer mais por si e a mudar algo nas suas vidas.

O programa “Street Football Stadium” é a mais recente iniciativa da Sony, e o seu grande objectivo é doar campos de futebol portáteis a IPSS e ONG da América Latina que utilizam este desporto como uma ferramenta de inclusão social, ao abordarem questões como o fair-play, o respeito, o trabalho em equipa, o autocontrolo e a auto-estima. A iniciativa integra, inclusivamente, workshops para crianças onde estas questões serão trabalhadas, dando-lhes ferramentas que as ajudam a viver melhor em comunidade.

No total, pretende-se distribuir 14 estádios portáteis e receber mais de 14 mil crianças nos workshops. Este programa surgiu pela percepção, por parte da Sony, de que o Brasil e outros países da América Latina vivem o futebol de forma muito intensa mas oferecem aos seus cidadãos condições pouco favoráveis à sua prática, colocando em risco a saúde e a segurança dos atletas e jogadores que se aventuram nesta modalidade. Os campos portáteis têm a facilidade de serem feitos por materiais leves e fáceis de transportar, podendo ser montados em locais e em horários mais seguros e convenientes, e desmontados logo a seguir, sem causar grandes transtornos.

Em paralelo, a Sony lançou o desafio “Paint Stadium”, através do qual os jovens são incentivados a desenhar os painéis destes campos. O tema é “envia-lhes a tua energia e o teu amor” e as ilustrações que foram enviadas, até Maio deste ano, estão agora sob votação do público. Os desenhos mais votadas serão o “rosto” destes campos de futebol portáteis.

© DR

“Nós podemos” ir mais além
O programa “Football for Hope Siyakhona Media Skills” existe desde 2009 e pretende fomentar o jornalismo cívico através de formação de jovens na área, recorrendo produtos e equipamentos da Sony. O termo sul-africano Siyakhona, presente nos idiomas Zulu e Xhosa, e que significa “nós podemos”, foi escolhido no âmbito do Campeonato Mundial de Futebol de 2010, e adoptado desde então.

Tal como o Street Football Stadium, este programa permite aliar as boas práticas do futebol aos conhecimentos técnicos da área tecnológica, permitindo aos adolescentes uma mudança nas suas vidas. E dá a estes jovens a possibilidade de frequentarem cursos de fotografia e vídeo, e de trabalharem competências técnicas mas também cívicas e pessoais, aumentando a possibilidade de encontrarem emprego neste sector, alcançando estabilidade financeira.

O programa deste ano será implementado em 14 comunidades de diversos países (três das quais, brasileiras). Ao dar a estes jovens formação e ferramentas que lhes permitem construir uma vida mais digna, a Sony pretende também incentivá-los a captarem o seu dia-a-dia através de uma câmara, de forma a alertarem a sociedade para os problemas das suas comunidades, que muitas vezes estão camuflados ou que os governantes preferem não ver.

Desde o seu lançamento, este programa já mudou a vida a 400 jovens de 40 comunidades carenciadas. A grande evolução entre o programa de 2010 e o actual reside no facto de o primeiro ter incentivado os jovens a filmarem e a fotografarem o seu dia-a-dia em comunidade, e o deste ano ir mais além, dando-lhes formação para que possam seguir uma carreira na área dos Media.

Os jovens que queiram frequentar as formações podem, posteriormente, participar no concurso de fotografia Siyakhona, cujo vencedor será aquele que auferir maior número de votos no portal One Stadium, da Sony, e no Festival Football for Hope, organizado pela FIFA, que terá lugar no Rio de Janeiro entre os dias 3 e 10 de Julho.

Este festival vai reunir 32 selecções de futebol de rua de IPSS e ONG a nível mundial, apoiadas pela FIFA. O programa inclui uma série de actividades culturais e desportivas, sendo um jogo de futebol sem árbitros uma das grandes atracções. O objectivo é que os conflitos em campo sejam resolvidos pelos jogadores, sem intermediários, de forma a porem em prática as capacidades de autocontrolo, fair-play e disciplina, que têm vindo a treinar e que lhes serão úteis para a vida fora das quatro linhas.

Ronaldinho, ex-jogador da Selecção brasileira, é um dos rostos do festival e dá o seu exemplo: “como todos sabem, o futebol mudou a minha vida”, sublinhando a importância do trabalho em equipa. Já o ministro do Desporto do Brasil, Aldo Rebelo, salienta que “o futebol tem sido uma plataforma de promoção e de valorização social dos [nossos] jovens carenciados”.

Em pleno Mundial no Brasil, a Sony pretende continuar o trabalho iniciado com estes programas no final da primeira década do Século XXI, comprometendo-se a dar o seu máximo na busca de uma sociedade mais sustentável. Através do uso das novas tecnologias, a empresa pretende contribuir para a diminuição das desigualdades sociais, incentivando as crianças e os jovens do mundo inteiro a sonhar e a acreditar nas suas capacidades.

O futebol que gera mudança
© DR

A Streetfootballworld é uma rede internacional que promove o futebol de rua como um meio de inclusão social forte e capaz. Direccionada essencialmente para os jovens, esta rede surgiu em 2002 e actualmente é vista como uma referência na área do desenvolvimento social: tem parcerias em 50 países, num total de 80 organizações, uma das quais em Portugal (a associação CAIS).

Tratando-se de uma modalidade de equipa, o futebol permite abordar questões sociais de elevada importância, como a educação, a igualdade de género, a empregabilidade e até a prevenção do vírus da SIDA. Para esta rede, além de este ser o desporto mais popular a nível mundial, é também aquele que gera “mais paixão e emoção”, sendo, por esse motivo, capaz de atrair os jovens.

Esta questão não é, no entanto, vista como um fim ou uma meta: além de ser um incentivo a uma vida mais saudável, o futebol inclusivo permite treinar a tolerância, o respeito, a confiança e as responsabilidades. Tanto ou mais importante que utilizar estas ferramentas dentro de campo, é utilizá-las fora deste, bem para lá das quatro linhas – só assim se consegue “assegurar o impacto a longo prazo da mudança social através do futebol”.

Mária Pombo

Jornalista