Encontra e segue a tua paixão”, ouvimos dizer com frequência em contextos diversos. E mesmo que não tenhamos a certeza do que tal significa, habituamo-nos a pensar que uma vida sem uma busca apaixonada por algo não merece ser vivida. Mas o processo nada tem de simples. Raramente a paixão é algo em que tropeçamos e a chama que estimula os grandes feitos – sejam desportivos, científicos, empresariais ou artísticos – pode ser tão criativa quanto destrutiva. A paixão pode ser uma bênção se for bem canalizada ou pode transformar-se numa maldição, resultando numa procura interminável, em sofrimento e em depressão
POR HELENA OLIVEIRA

Já Confúcio afirmava que quem escolhe um trabalho que ama, não terá de trabalhar nem um dia na vida. O mesmo acontece com aqueles que nos rodeiam e nos instam a “seguir a nossa paixão” como a melhor forma de atingirmos a felicidade. Uma vida sem paixão, dizem-nos, não será uma vida plena. E, na maior parte dos discursos inspiracionais, somos perseguidos por esta mesma máxima, mesmo que não saibamos qual é essa mesma paixão. No mundo dos negócios, por seu turno, é difícil encontrar, no léxico que o caracteriza, maior inflação linguística do que a que está subjacente à palavra “paixão”. “Somos apaixonados pelo que fazemos”, “fazemos o nosso trabalho com paixão”, “os nossos clientes são a nossa paixão”. Estejamos a fazer um pitch para investidores ou a escrever a nossa biografia no LinkedIn e se não formos apaixonados pela nossa ideia ou não colocarmos paixão nos nossos talentos, então é porque não estamos suficientemente convencidos sobre o que a primeira vale ou do nosso próprio valor. Ou e em suma, se não alocarmos paixão a qualquer que seja o nosso objectivo, o mais certo é falharmos. E este é o discurso que nos persegue desde que aprendemos a ser gente.

Tudo isto poderia ser verdade se a ciência subjacente à paixão – sim, ela existe – não fosse algo complicado. E uma ausência de compreensão sobre a forma como esta paixão funciona pode resultar em comportamentos destrutivos, deixando-nos esgotados e até deprimidos.

Então como é possível alimentar a paixão sem cairmos em potencial desgraça? Felizmente, e com a ajuda da biologia e da psicologia, é possível, sim. E não faz qualquer diferença se estivermos a falar da paixão no desporto, no empreendedorismo, nas artes, na ciência ou nos negócios. Apesar de muitas vezes paradoxais, os mecanismos subjacentes à paixão, quando compreendidos, podem dar uma boa ajuda para seguirmos e realizarmos os nossos sonhos e é sobre este tema que Brad Stulberg, um antigo consultor da McKinsey que passou a ser jornalista e coach de executivos, e Steve Agness, um famoso treinador de atletismo, escrevem no apaixonante livro “The Passion Paradox: A Guide to Going All In, Finding Success, and Discovering the Benefits of an Unbalanced Life”.

Na verdade, o que a ciência diz sobre a paixão é exactamente o oposto do que reza a cultura popular. E os co-autores deste livro, a dupla igualmente responsável pelo best-seller “Peak Performance”, mergulham nas evidências científicas inerentes à paixão, demonstrando de que forma a mesma pode conduzir a uma vida com significado mas, e em simultâneo, alertando por que razão esta busca pode, também, traduzir-se numa afiada espada de dois gumes com resultados inesperadamente negativos.

Breve história da paixão

Apesar de, na actualidade, associarmos o termo “paixão” a atributos positivos, nem sempre foi assim. Na verdade, a “paixão” vai buscar as suas raízes linguísticas ao latim “passio”, o que significa literalmente “sofrimento”. E, ao longo de vários séculos de história, este sofrimento estava exclusivamente associado à paixão de uma única pessoa – Jesus Cristo. Mas e como acontece com tantas outras palavras, o seu significado foi-se alterando com o tempo. E foi na altura do Renascimento que a palavra “paixão” começou a ser proferida com uma conotação menos negativa. Poetas como Geoffrey Chaucer começaram a usar o termo para descrever “emoções crescentes” no geral e acabaria por ser William Shakespeare a usá-lo para definir o desejo incontrolável de uma pessoa por outra.

Mas a história não termina aqui e foram necessárias mais umas centenas de anos para que o significado de paixão se estendesse para além das pessoas e passasse a ser utilizado relativamente a actividades ou a escolhas de carreira. E, nos anos de 1970, frases como “segue a tua paixão” passaram a emergir e esta procura da paixão passou a fazer parte integrante da nossa existência, atingindo o seu expoente máximo com a geração X e o millennials, cujos representantes se habituaram a fazer equivaler o seu significado a uma busca de realização plena e a um caminho para a felicidade.

Por outro lado, também os mecanismos biológicos associados à paixão têm conotações positivas e negativas. E tal deve-se ao facto de a mesma ser regulada pela dopamina, um poderoso neuroquímico que nos motiva a fazer coisas. Assim que é libertada pelo cérebro, a dopamina impele-nos a lutar pelos nossos objectivos ao mesmo tempo que nos faz ansiar por recompensas. E é também por isso que os autores do livro afirmam que existe uma linha muito ténue nas personalidades de pessoas “extremamente apaixonadas” e naquelas dependentes de drogas. É que enquanto a dopamina nos motiva a perseguir recompensas, o seu efeito químico dissipa-se assim que as recebemos, o que, consequentemente, nos faz querer sempre mais. Assim, e tal como acontece com as drogas que criam maior dependência, quanto mais dopamina experimentamos, maior é a tolerância que desenvolvemos contra ela, começando a perseguir objectivos cada vez mais elevados e a multiplicar a importância que conferimos ao acto de seguirmos as nossas paixões. E nunca estamos satisfeitos com a recompensa. Esta pode ser considerada como a lição e explicação número um face aos perigos de buscarmos, obsessivamente, a nossa paixão.

Perseguir a perfeição afasta-nos da paixão

Como afirmam os autores, se os mecanismos biológicos que “acendem” a paixão não são assim tão diferentes dos que estimulam a dependência de drogas, torna-se importante perceber o método através do qual encontramos – e fazemos crescer – as nossas paixões.

Se pensarmos na paixão em contexto de romance –não sendo este o propósito do artigo nem do livro que o inspira – sabemos que é comum pensar-se que estamos destinados a apaixonarmo-nos pela nossa cara-metade e que só seremos capazes de amar essa mesma pessoa. Só que procurar a “pessoa certa” pode conduzir-nos a uma cruzada interminável e impossível, a uma abordagem “tudo ou nada” que os investigadores da paixão denominam como “mentalidade/espírito de encaixe”. Os estudos demonstram que 78% das pessoas pensam desta forma e não apenas no que diz respeito ao romance. Ou seja, é comum pensarmos que é necessário sentir paixão imediatamente a seguir a começarmos um novo trabalho ou actividade e que esta é a única forma de transformarmos uma nova conquista numa felicidade de longo prazo.

Todavia, e seja no romance ou no trabalho, este tipo de mentalidade vem acompanhado de armadilhas. Em particular para os iniciados, as pessoas que têm este tipo de estrutura mental têm tendência para desistir de uma nova paixão quando se deparam com o primeiro obstáculo. E de seguida tentam procurar algo novo, buscando o prazer fugaz da primeira “injecção” de dopamina que surge com aquilo que é “fresco”. E o que não percebem é que, por cada novo recomeço, estão a perder a oportunidade e a sacrificar possibilidades de um crescimento a longo prazo. Mas se este tipo de mentalidade não é a melhor forma de “atear” a paixão, qual é a alternativa?

De acordo com o livro, há que considerar uma abordagem progressiva, começando por identificar potenciais linhas de trabalho que consideremos interessantes e, calmamente, começarmos a explorar a possibilidade de estas se transformarem num compromisso que realmente desejamos no longo prazo.

Desta forma, é importante aceitar que a perfeição não é algo que se encontre de imediato no processo de busca pela paixão, o que ajuda a regular a produção de dopamina por parte do cérebro para níveis mais razoáveis. Assim, e se cometermos alguns erros iniciais, e os níveis de dopamina forem reduzidos, não nos sentiremos como se estivéssemos prestes a cair para um abismo.

Adicionalmente, e à medida que melhoramos a “paixão escolhida”, devemos aumentar gradualmente a energia e o tempo que nela depositamos. Quando mais competentes nos tornarmos nessa paixão, mais riscos poderemos começar a tomar. E, eventualmente, podemos até pensar no maior risco possível – o de abandonarmos um trabalho de que não gostamos, para nos dedicarmos ao que realmente nos apaixona e nos confere significado. Esta pode ser considerada a lição número dois, com os co-autores a sugerirem que, antes de mais, a paixão que escolhemos deverá ser considerada como um projecto pessoal, antes de passar a ser algo mais sério.

Paixão, medo e obsessão

“Era uma vez um CEO de uma grande empresa que valorizava a paixão acima de qualquer outra coisa. Só empregava as mais apaixonadas pessoas e esperava que toda a sua organização fosse tão apaixonado quanto ele próprio. Sob o seu mandato, a revista Fortune considerou a empresa como a ‘mais inovadora empresa de grandes dimensões’ e o seu valor de mercado ascendeu aos 60 mil milhões de dólares”. Esta é uma entre várias histórias que constam no livro The Passion Paradox. E é também a história da Enron e do seu apaixonado CEO Jeffrey Skilling. Mas a Enron já não existe, na medida em que a paixão desenfreada de Skilling para se enriquecer a si mesmo e aos seus accionistas resultou num dos maiores casos de fraude corporativa da história moderna, culminando na falência da empresa e na sua própria prisão.

Skilling é assim apresentado pelos co-autores como um exemplo clássico do que acontece quando as nossas paixões se tornam obsessivas e correm mal como resultado. Numa entrevista sobre o livro, Stulberg afirma que existem pesquisas fascinantes feitas com atletas em torno do que é comummente denominado como “paixão obsessiva” que, neste caso, surge quando a paixão deixa de significar amar um desporto e passa a traduzir-se como amar a fama, o reconhecimento e o sucesso. E a verdade é que os estudos comprovam que os atletas apaixonadamente obsessivos têm uma propensão muito maior para usarem doping do que aqueles que têm, ao invés, um outro tipo de paixão, apelidada de “harmoniosa”. Ou seja, e voltando ao caso da Enron, Stulberg afirma que a fraude nos negócios é o equivalente ao doping no desporto. E que há uma enorme diferença entre controlarmos a nossa paixão ou deixar que seja ela a controlar-nos.

E esta mudança perigosa tem início quando começamos a perder de vista o que originalmente nos motivou a trabalhar para atingirmos determinado objectivo e passamos a concentrar-nos em coisas como a validação externa, as recompensas ou o reconhecimento. E quando este tipo de coisas substitui os nossos objectivos originais, fazemos tudo para os atingir. Sejam escritores que recorrem ao plágio para verem o seu livro publicado, sejam os atletas a utilizar substâncias ilegais para estabelecer novos recordes, sejam executivos que cometem fraude para se manterem no topo do mundo, este tipo de paixões obsessivas podem transformar objectivos prazerosos em empreendimentos sinistros.

E regressamos de novo à relação existente entre “o acender de uma paixão” e a dependência de drogas, relembrando que ambas envolvem o aumento de tolerância à dopamina, pois é nesse preciso ponto que as paixões obsessivas começam. Pensamos que mais dinheiro ou reconhecimento irá satisfazer as nossas ansiedades, mas como a dopamina é apenas libertada ao longo do processo e não após atingirmos o nosso objectivo, nunca ficamos satisfeitos e queremos sempre mais. E, tal como acontece quando os dependentes de drogas sentem abstinência, quando as pessoas com paixões obsessivas falham, a queda súbita e a pique dos níveis de dopamina pode dar origem a um enorme sentimento de devastação e a uma grave depressão. Ou seja, e como escrevem os co-autores, é aqui que a paixão volta às suas origens linguísticas e provoca sofrimento.

Um outro factor pouco saudável inerente à paixão é o medo. No curto prazo, o receio de falhar pode funcionar como uma útil motivação. Se por exemplo estamos num novo trabalho, o medo de fazermos disparates pode ajudar-nos a estarmos mais atentos e a cumprir da melhor forma aquilo que nos é pedido. Mas no longo praz, o medo de falhar pode igualmente resultar em burnout ou depressão.

Todavia, a infeliz realidade é a de que a sociedade em que vivemos, célere e extremamente orientada para os resultados, poder ser a principal causadora de as nossas paixões se tornarem obsessivas ou movidas pelo medo. E tal deve-se ao facto de favorecermos soluções rápidas em detrimento do desenvolvimento de competências a longo prazo, já para não mencionar o facto de que no mundo instantâneo das redes sociais o número de “likes” se transformou na nova moeda de reconhecimento pelos nossos esforços.

E é aqui que entra a já mencionada “paixão harmoniosa”, ou seja, quando nos envolvemos em algo que é apaixonante pelo prazer que nos dá e não pelas potenciais recompensas ou pelo reconhecimento exigido pela paixão obsessiva. Mais ainda, com este tipo de paixão é muito mais provável atingirmos essas recompensas externas e os nossos objectivos. E os autores alertam para o cerne da questão: isto só funciona quando a perseguição da nossa paixão é um fim em si mesmo. Ou seja, aqueles que se concentram nos sucessos futuros em vez de desfrutarem a sua paixão têm menos probabilidades de alcançar os seus objectivos e colher as recompensas devidas.

Assim, asseguram os autores, para se perseguir esta paixão harmoniosa é necessário adoptar uma certa estrutura mental assente na continuidade e no desenvolvimento sustentado das nossas paixões, sendo que o primeiro passo é focarmo-nos no processo e não nos resultados. Ter orgulho nas pequenas vitórias e saber usar a virtude da paciência é igualmente imprescindível. Ou, por outras palavras, as paixões harmoniosas são jornadas de vida e o nosso foco deve ser colocado não em sermos os melhores mas em continuarmos sempre a melhorar.

Seguir uma paixão e ter uma vida equilibrada é uma contradição

É uma ideia que ouvimos – e tentamos seguir – continuamente. O equilíbrio é factor integrante de uma vida feliz. E são inúmeros os livros de auto-ajuda e os especialistas em “seguir a paixão” que, há décadas, nos fazem acreditar que é possível perseguir o que nos apaixona de forma implacável e dedicarmos o mesmo tempo e energia a outros aspectos igualmente importantes da vida, como a família. Só que, e de acordo com os autores, é aqui que entra um segundo paradoxo: atingir uma paixão e viver uma vida equilibrada é uma contradição e mesmo a pessoa que vive uma paixão harmoniosa é completamente consumida pela ideia de atingir a mestria e de se focar exclusivamente neste objectivo. Viver uma existência movida a paixão pode, na realidade, significar uma certa quantidade de sofrimento e sacrifício, os quais esgotam o tempo e a energia que seriam necessários para despender em outras facetas da vida.

Os autores dão vários exemplos de personalidades extremamente apaixonadas que nunca conseguiram ter uma vida equilibrada. Um deles é Mahatma Gandhi que contribuiu grandemente para a independência da Índia – o seu grande objectivo apaixonado – e cuja vida foi extremamente turbulenta. Enquanto pregava pela não-violência e pela unidade do povo indiano, Gandhi mantinha uma relação extremamente perturbada com o se filho, chegando mesmo a deserdá-lo.

Assim, sugerem os co-autores, em vez de procurar por esse tão falado equilíbrio, dominar o poder da auto consciencialização ou do autoconhecimento é a melhor forma de manter a paixão no longo prazo. E fazê-lo implica monitorizar e gerir regularmente de que forma essa paixão afecta os que nos rodeiam, bem como as nossas próprias emoções e comportamentos.

De forma também paradoxal, uma das melhores formas de sermos auto conscientes é conseguirmos “sair de nós mesmos”. Ter uma visão a partir do “exterior” e assegurar que saímos fora do nosso “ciclo de paixão” para ganharmos uma perspectiva alargada do mesmo é crucial.

Em suma, a paixão está intimamente relacionada com o facto de sermos completamente consumidos por um determinada actividade que confere uma satisfação significativa à nossa vida. Ma há que ter cuidado com as armadilhas que se escondem nesta busca, as quais podem conduzir à obsessão e ao medo. Se a mesma se mantiver harmoniosa, pode ser desenvolvida de forma saudável. E mesmo que seja impossível viver uma vida equilibrada, pois a paixão, e de forma inevitável, exige sacrifícios, a satisfação e as recompensas que dela resultam podem valer toda a pena.