Na primavera de 2018, a Universidade de Helsínquia e a empresa Reacktor juntaram-se com o objetivo de conferir aos cidadãos europeus meios que lhes permitam sair fortalecidos da sua relação com a IA, ao invés de serem ameaçados por ela. Em conjunto, criaram o curso “Elementos de IA” para ensinar os princípios fundamentais da IA a pessoas oriundas de meios muito diferentes. Trata-se um curso online, gratuito e que está disponível em mais de duas dezenas de línguas, chegando agora a vez do português através da parceria com a Nova SBE
POR PATRÍCIA XUFRE

Hoje em dia o conceito “Inteligência Artificial” é frequentemente utilizado, mas são poucos os que de facto sabem a que se refere. Ao contrário do que muitos pensam “Inteligência Artificial” não é só um termo para nos referirmos a robôs que fazem “coisas fixes”. Apesar de não ser algo recente, com a grande revolução tecnológica que se tem sentido nas últimas décadas, a IA faz parte do nosso dia a dia: desde a sua presença na indústria, nos sistemas de recomendação (como os utilizados pela Netflix, Spotify e Amazom), na definições de rotas (como o Google Maps ou o Waze), em sistemas de apoio à decisão na área de medicina, banca e mercados financeiros, entre muitos outros.

Havendo plena consciência de que a IA assim como outras tecnologias emergentes (IoT, por exemplo) podem potenciar a transformação para melhor das nossas sociedades e economias, é importante que todos saibamos do que se trata e em que situações se pode ou não utilizar. Democratizar a IA é colocar este conhecimento ao alcance de quem o queira. Não só ao nível das empresas que poderão e deverão aprender a utilizar corretamente a informação de que dispõem, mas também ao nível do cidadão comum.

É, contudo, necessário criar ao mesmo tempo do avanço das tecnologias, regulamentação que permita responder aos desafios que esses progressos acarretam. Este é um dos pontos fulcrais da agenda da Comissão Europeia desde abril de 2018, ano em que foi definido o “Plano Coordenado para o Desenvolvimento e Utilização da IA na Europa”.

Assim, na primavera de 2018, a Universidade de Helsínquia e a empresa Reacktor juntaram-se com o objetivo de conferir aos cidadãos europeus meios que lhes permitam sair fortalecidos da sua relação com a IA, ao invés de serem ameaçados por ela. Em conjunto, criaram o curso “Elementos de IA” para ensinar os princípios fundamentais da IA a pessoas oriundas de meios muito diferentes. Trata-se um curso online, gratuito e que está disponível em mais de duas dezenas de línguas, chegando agora a vez do português através da parceria com a Nova SBE. Este curso é constituído por 6 módulos, cada um deles com 3 partes. Cada módulo leva em média cerca de 5 a 10 horas a ser realizado. Os interessados no tema podê-lo-ão realizar ao seu próprio ritmo e em qualquer lugar.

Caracterizando-se a IA essencialmente pela sua autonomia – a capacidade de executar tarefas em ambientes complexos, sem a orientação constante de um utilizador e pela sua adaptabilidade – capacidade de melhorar o seu desempenho, ao aprender com a experiência – será cada vez mais uma ferramenta que pode ser usada como complemento ao nosso trabalho e até mesmo algo que nos ajude a melhorá-lo. Embora algumas das ocupações atuais venham a desaparecer com a evolução da tecnologia, em muitas áreas essas ferramentas irão certamente melhorar a qualidade do nosso trabalho permitindo que nos concentremos em tarefas mais estratégicas, gratificantes e de criação de “valor”.

Deste modo, se por um lado, será preciso preparar as novas gerações para um mercado de trabalho onde a IA esteja cada vez mais presente, é preciso também, por outro, criar programas de requalificação de adultos. Este curso poderá ser para muitos um primeiro passo nesta direção.

Resumindo, este curso tem como objetivo facultar aos Portugueses em idade jovem e adulta este conhecimento, despertá-los para o seu enorme potencial e, ao mesmo tempo, alertá-los dos eventuais riscos associados. Só na posse deste conhecimento é que poderão tomar decisões verdadeiramente informadas e estarem o mais preparados possível para o que o futuro com IA lhes traz.