Através de casos nacionais e internacionais de angariação de fundos, partilhando as suas histórias e experiências, o 8º Seminário de Fundraising permitiu mostrar a diferença que traz para as organizações o investimento em equipas e recursos totalmente dedicados a esta área. E que as emoções são fundamentais no momento de se criar motivações para o donativo
POR MADALENA DA CUNHA*

Já organizámos oito edições do Seminário de Fundraising Call to Action e continuamos a ter uma sala cheia e plateias entusiasmadas no maior evento do País na área da angariação de fundos. Foram 280 as pessoas que marcaram presença na Fundação Calouste Gulbenkian, no passado dia 10 de Março, para este 8º Seminário.

“Seminário muito bom com conteúdos fortíssimos”  e “obrigada pelo que aprendi. Gostei muito” foram alguns dos testemunhos que nos mostram que o evento foi um sucesso e que nos dão a sensação de objectivo cumprido.

Através de casos nacionais e internacionais de angariação de fundos, partilhando as suas histórias e experiências, foi possível mostrar a diferença que traz para as organizações o investimento em equipas e recursos totalmente dedicados ao fundraising.

As novas tecnologias estiveram também, obviamente, na ordem do dia, sendo claro que estas são, actualmente, uma obrigação imprescindível para quem quer angariar mais fundos e chegar a mais pessoas.

Este ano tivemos o privilégio de receber Adrian Sargeant, professor na Plymouth Business School, como keynote speaker. Através da sua vasta experiência e testemunho, o especialista em fundraising e filantropia sustentável mostrou como as emoções são fundamentais no momento de se criar motivações para o donativo, e também a urgência de se trabalhar na fidelização dos doadores.

Adrian Sargeant, keynote speaker no 8º Seminário de Fundraising Call to Action e docente na Plymouth Business School
Adrian Sargeant, keynote speaker no 8º Seminário de Fundraising Call to Action e docente na Plymouth Business School

Da Noruega, através do testemunho de representantes da Nowegian Association of the Blind and Partially Sigthed, ficámos a conhecer uma campanha genial que lhes permitiu alargar o número de potenciais doadores. Esta campanha, direccionada para a sociedade em geral, tocou num ponto crítico para todas as pessoas acima dos 45 anos – o facto de não conseguirem ler as letras pequenas que surgem nos rótulos de qualquer embalagem que utilizamos diariamente.

Pela voz da maestrina portuguesa Joana Carneiro, ficámos a conhecer a sua experiência enquanto responsável pela angariação de fundos da Orquestra Sinfónica Portuguesa, dando-nos conta da importância de um trabalho de envolvimento e da criação de relações pessoais na captação de grandes donativos de particulares.

[pull_quote_left]As novas tecnologias são uma obrigação imprescindível para quem quer angariar mais fundos e chegar a mais pessoas[/pull_quote_left]

A realidade virtual foi um dos temas trazidos pela Unicef, com a sua actual campanha que conta a vida de uma criança num campo de refugiados na Síria, transportando-nos para aquele exacto local, lado a lado com aquela realidade. Depois desta “viagem” para a qual fomos transportados através de uns óculos de realidade virtual, a resposta foi unânime – “claro que vou fazer um donativo” – provando, uma vez mais, a eficácia destas técnicas.

Na área da educação, e porque as universidades também precisam de angariar fundos para desenvolverem mais projectos e se tornarem mais independentes dos apoios governamentais, Nicole Guillam, da Arquitectural Association School of Architecture, apresentou caminhos e estratégias que as instituições de ensino podem e devem adoptar para começarem a fazer fundraising junto dos seus alunos e empresas.

Foi um dia cheio e completo, com uma grande variedade de temas, que teve como objectivo abordar todas as áreas da angariação de fundos, que têm ainda um enorme potencial de crescimento em Portugal.

A Call to Action quer que este seminário continue a ser uma referência nacional e, mais do que tudo, quer continuar a dar cada vez mais conteúdos e casos atractivos para o público. Voltaremos em 2017.