A criação de uma CIA global, o acesso à educação para todas as crianças do mundo, um xerife para policiar o doping desportivo ou encher o depósito do automóvel com gás de… xisto? À primeira vista, estas ideias, formuladas por personalidades das mais diversas áreas, podem parecer loucas. Mas se alguém as levasse a sério poderiam mesmo mudar o mundo tal como o conhecemos
POR HELENA OLIVEIRA

.
.
© DR
.

São 25 ideias provenientes de poetas, figuras políticas, médicos e financeiros, teólogos e romancistas e, em comum, pretendem contribuir para um mundo melhor. A CS Monitor apresenta ideias pouco ortodoxas, que podem ou não fazer sentido, para mudar este planeta em 2011. Ou em qualquer outro ano. O VER não resistiu em “adoptar” algumas delas.

Uma CIA global
Rolf Mowart, um ex-especialista de topo da CIA e actual professor na Harvard Business School, afirma que desafios como as armas de destruição maciça, o terrorismo, o crime organizado, os ciber-ataques e as alterações climáticas não podem, de modo algum, ser resolvidos por apenas uma nação em particular. Para o especialista em terrorismo, o que é necessário é uma espécie de CIA global, sem cabecilhas clandestinos, que analise e compreenda estes tipos de acontecimentos a um nível mais profundo. Para Mowart, é urgente a formação de uma “instituição de inteligência global”, concebida especificamente de acordo com os problemas que enfrentamos actualmente e com outros que poderão ocorrer no futuro. Sem querer usurpar a CIA verdadeira, a ideia é construir uma organização internacional que partilhe as suas descobertas no que respeita a ameaças contemporâneas e comuns a muitos países. E esta unidade poderia ficar, por exemplo, sob a alçada das Nações Unidas. O actual professor em Harvard explica da seguinte forma a sua ideia: “uma partilha de informação rápida; muito menos secretismo; uma desvalorização do papel da espionagem a favor de fontes confidenciais que se vêem a ajudar o mundo e não a trabalhar contra países individuais. É o que precisamos”.

Americanos e chineses unidos para limpar o planeta
A ideia é do antigo secretário do Tesouro norte-americano e ex-presidente do Goldman Sachs, Henry Paulson Jr, que acredita que os Estados Unidos e a China deviam unir esforços para eliminar todas as tarifas que pesam sobre as tecnologias limpas, estimulando uma acção global para questões aparentemente insolúveis no que respeita à protecção ambiental. Para Paulson, as novas tecnologias limpas são a única forma de estimular o crescimento económico, que permitirá aumentar os padrões de vida no planeta enquanto diminui, ao mesmo tempo, os seus efeitos no clima, na água e no ar. Contudo, não basta simplesmente desenvolver estas tecnologias, mas sim implementá-las em grande escala para terem impacto. A remoção de tarifas aduaneiras poderia ser uma solução. E dá um exemplo: “existe, neste momento, uma tecnologia de água disponível que pode ajudar as comunidades locais a reduzir a poluição dos rios causada pelas centrais eléctricas. Mas, na China, uma tarifa de 22 por cento nestes filtros de água torna esta tecnologia demasiado dispendiosa para ser adoptada por muitas comunidades”. Assim, as duas maiores economias do mundo que são, em simultâneo, os maiores emissores de carbono do planeta, bem como os maiores importadores de petróleo, deveriam unir esforços coordenados para remover estas barreiras e iniciar um movimento que, decerto, seria acolhido e implementado pelo mundo inteiro.

Educar todas as crianças do Planeta Terra
O escritor e cronista Greg Mortensen tem uma ideia aparentemente simples em termos conceptuais, mas muito difícil de colocar em prática: um compromisso global para que qualquer criança possa ter acesso à educação. De acordo com números divulgados pela UNICEF, existem cerca de 112 milhões de crianças sem acesso à educação formal, sendo que 74 milhões destas são raparigas. Mortensen estabeleceu algumas amizades com mullhas islâmicos e com anciãos de tribos locais no Afeganistão, ganhando, ao mesmo tempo, o respeito de oficiais de topo dos Estados Unidos. De acordo com as suas palavras, são os próprios militares americanos a reconhecer que não existe uma solução militar de longo prazo para os problemas que assolam a região, e afirma que os maiores aliados do terrorismo são a iliteracia e a ignorância. Mortensen acredita ainda que a iliteracia global poderia ser reduzida para metade, ao longo dos 10 próximos anos, se se gastasse apenas metade dos 100 mil milhões de dólares que os Estados Unidos empregam na Operação Liberdade Duradoura (que, em grande escala, são directamente empregues no Afeganistão). Mortensen afirma que Farooq Wardak, o ministro da educação afegão, lhe garantiu que são gastos anualmente 248 milhões de dólares nas 24 universidades do país. “Nós estamos a gastar cerca de um milhão de dólares por cada soldado norte-americano no Afeganistão. Se deixássemos 248 soldados regressarem a casa para junto das suas famílias, poderíamos passar um cheque para financiar o sistema universitário na sua totalidade. Enviar cerca de dois mil de tropas para casa e “substitui-los” por escolas e salários para 10 mil professores iria, decerto, alterar, a dinâmica da guerra. E estaríamos a dar um futuro ao Afeganistão.

“Baixar” as paredes no Médio Oriente
A ideia é do ministro dos negócios estrangeiros iraquiano, Hoshyar Zebari, que considera a inexistência de confiança entre os países e os grupos sectários o principal problema na sua região. Esta devia apostar numa maior integração económica – no gás, petróleo, electricidade, estradas e aeroportos – pois essa é uma aspiração comum a todos. O ministro iraquiano afirma que no norte, apesar da tensão existente entre os curdos e os turcos, existem cerca de 600 empresas turcas registadas e cerca de 15 mil trabalhadores turcos. E isso alterou, de acordo com as palavras de Zebari, a percepção que se tinha dos conflitos, bem como a tensão. Mudou igualmente o relacionamento predominante e, apesar de ainda existirem alguns problemas no que respeita a algumas ideias turcas e do seu papel na região, os interesses económicos abrem caminho para novos tipos de relacionamento.

Contar uma história e mudar o mundo
O escritor e editor Dave Eggers, que ajudou a lançar programas de escrita para jovens em oito cidades norte-americanas a par do projecto Voice of Witness – uma série de livros nos quais pessoas comuns contam as suas histórias para ilustrar as diferentes crises existentes em termos de direitos humanos – está convicto de que ouvir narrativas de pessoas que viveram situações de injustiça ajuda a perceber, a gerar empatia e a agir moralmente. Com o projecto que visa dar voz às testemunhas de determinados acontecimentos – como por exemplo, as que sofreram com o furacão Katrina – Eggers acredita que consegue uma maior sensibilização, pois as narrativas dão vida às pessoas que apareceram nas parangonas dos jornais. É fornecer informação, para tocar na alma. Uma história de cada vez.

Cuidado com as megacidades
Joel Kotkin é autor do livro “The Next Hundred Milliion: America in 2050” e afirma que seria útil começarmos pela palavra mais usada e abusada dos nossos tempos – sustentabilidade – e pensarmos se o mundo não seria um local melhor se colocássemos o ênfase em outras questões que também nos sustentam. Tal como o bem-estar social e a saúde económica, que têm de ser consideradas também como prioridades. Caso contrário, o movimento da sustentabilidade transformar-se-á em pouco mais do que um caminho para a pobreza – algo inaceitável nos países “ricos” e menos ainda nos países em desenvolvimento. Ao contrário do que é preconizado por muitos e quando se fala em reduzir os gases com efeito de estufa, seria útil forjarem-se formas de aumentar a produtividade e o bem-estar social. Como defende o escritor, em vez de se “obrigar” as comunidades a serem cada vez mais densas para as tornar sustentáveis, seria mais produtivo diminuir essa densidade e, por consequência, os dispêndios de energia, através da utilização de teletrabalho e dispersão dos trabalhadores. Para Kotkin, em muitos locais, particularmente nos países mais pobres, o desenvolvimento de baixa densidade pode ser relacionado com a agricultura local e com indústrias artesanais. “Empurrar” cada vez mais pessoas para as megacidades poderá tornar-se perigoso para a saúde humana e para o desenvolvimento social e, até, causar um aquecimento local, fenómeno conhecimento como o “efeito das ilhas de calor”. E tem de existir uma forma de “misturar” preferências sociais com performance económica e objectivos ambientais de longo prazo.

Tornar “o meu filme obsoleto”
Em 2008, a produtora, argumentista e realizadora Lisa Jackson fez um documentário intitulado “O Maior dos Silêncios: a Violação no Congo” que descreve em pormenor o horror vivido por raparigas e mulheres naquele país. No leste do Congo é mais perigoso ser mulher do que ser soldado, garante a realizadora. E é um local em que a guerra pelos recursos já matou mais de 5,4 milhões de pessoas e onde a violação e a violência sexual constituem armas à escolha de qualquer um. Milhões de pessoas viram o filme e, como resultado, milhares delas protestaram e apelaram aos líderes mundiais que encetassem verdadeiros esforços para acabar com este flagelo. Em 2011, se a resolução do conflito no Congo constituir uma prioridade da política externa, se “O Maior dos Silêncios” for reclassificado como filme “histórico” em vez de “actual” e se os horrores que relata forem encarados como algo que “já foi”, o mundo será, de longe, um local muito, mas muito mais bonito.

Encher o depósito com… gás de xisto
O jornalista britânico, escritor e empresário Matt Ridley, autor do livro “The Rational Optimist” está absolutamente convicto que será a inteligência colectiva da humanidade que a salvará de um desastre iminente. Mas a sua ideia para desenvolver a felicidade dos humanos em 2011 não é propriamente concreta, mas está antes revestida por um gás. “Gás de xisto”, esclarece, acrescentando que a ideia é unir as mentes brilhantes mundiais para o transformar em energia e mudar “tudo”. No seu livro best-seller, Ridley questiona muitas das concepções actuais, desde o alarmismo relativo às alterações climáticas até à ideia de que demasiada afluência é prejudicial à alma. Mas todo o livro gira em torno do crescimento, progresso e fé na humanidade. Neste momento, Ridley está optimista no que respeita a um gás, produzido a partir do xisto e que é amplamente utilizado nos Estados Unidos, mas não em outros locais. “Descobrir que este gás abundante, geograficamente ubíquo e potencialmente barato está ao nosso alcance é uma excelente notícia”, afirma. Para o autor, se o mesmo for bem utilizado, será uma excelente oportunidade para se colocar um ponto final no jugo da Rússia e do Irão, o que alteraria o quadro geopolítico. E seria bom para o ambiente visto que este gás possui metade do carbono existente no carvão, em cada unidade de energia.

Um novo xerife para policiar o doping no desporto
A cruzada de Richard Pound – fazer desaparecer do desporto qualquer droga ilegal – faz cada vez mais sentido. Para o advogado canadiano, ex-presidente da Agência Antidoping e antigo vice-presidente do Comité Olímpico Internacional, existe um novo exército que está a reunir esforços para se juntar a esta luta: os governos. Como afirma, até há pouco tempo, “caçar” atletas dopados era feito através de testes que mais pareciam uma sopa alfabética de substâncias proibidas. Mas, de forma crescente, os governos estão a alargar a rede e a tentar apanhar não só atletas suspeitos, mas também médicos, treinadores e outros que facilitam este comportamento ilícito. A proposta de Pound é criar uma parceria 50-50 entre as autoridades desportivas e governamentais, na qual os insiders do desporto servirão como uma espécie de agentes da CIA, fornecendo informação sobre que tipo de drogas estão mais “na moda”, quando é que estas são mais vantajosas para os atletas as tomarem (para uma melhor gestão dos testes não anunciados) e que atletas e/ou treinadores são suspeitos. Neste momento e de acordo com Pound, estas actividades de policiamento são da responsabilidade, no geral, de 90 por cento de funcionários do desporto e de 10 por cento do governo, mas com leis mais duras e penas prisionais mais longas, é um cenário que está em alteração profunda.

Melhorar a condição feminina no Afeganistão
Cansada de lutar com as pessoas que afirmam que os direitos humanos constituem um valor do Ocidente, a responsável pela Comissão Independente para os Direitos Humanos no Afeganistão, Sima Simar, afirma que esta noção tem origem no facto de a generalidade das pessoas acreditar que os afegãos são demasiado tradicionalistas, tribais e retrógrados, o que condiciona a visão negativa dos direitos que assistem às mulheres. Como afirma, se as estratégias e políticas tiverem como base a universalidade e a dignidade dos direitos humanos, é possível reduzir os erros cometidos no Afeganistão. Para Samar, o grande problema, com a comunidade internacional, reside no facto de esta optar sempre por uma estratégia de retirada e de usar como desculpa o respeito pela cultura dominante no país há mais de 30 anos. Daí que a sua proposta seja a do reconhecimento efectivo, e não meramente simbólico, da participação feminina – que corresponde a metade da população afegã – e dos seus direitos.

Conheça as 25 ideias publicadas pela CS Monitor

Helena Oliveira

Editora Executiva