Os refugiados precisam da Europa, mas a Europa também precisa dos refugiados. O argumento não é fácil de interiorizar, mas se a maioria dos debates se tem centrado nas implicações financeiras e nos custos variados desta crise, talvez seja a hora de se encarar a mesma como um desafio para as empresas e, transformá-la, ao invés, num benefício legítimo para ambas as partes envolvidas
POR
HELENA OLIVEIRA

Muita água irá correr debaixo das pontes até que a Europa encontre a coragem política e a força moral para resolver – ou pelo menos, amenizar – o fluxo persistente de refugiados e de migrantes económicos que invade as suas fronteiras. E muitos desafios terão de ser enfrentados ao nível cultural, social e económico para uma saudável integração dos que são acolhidos, em conjunto com uma aceitação, igualmente salutar, dos que irão acolher.

Nesta equação complicada, não é possível esquecer os que fogem da guerra, os que fogem da pobreza, mas também os que estarão dispostos a conviver com aqueles que, para muitos, mais não passam de “aproveitadores” dos benefícios sociais existentes nos países europeus, onde o desemprego continua a grassar, o número de pobres permanece vergonhoso e o futuro se afigura desesperançado. Todavia e olhando mais além, a verdade é que, em termos económicos e demográficos, a questão não pode ser colocada meramente em termos de “os migrantes económicos [onde se incluem também os refugiados] precisarem da simpatia da Europa”, havendo que sublinhar também que “a União Europeia [também] precisa deles”, como alerta Ian Burman, autor reconhecido de várias obras e professor de Democracia, Direitos Humanos e Jornalismo no Bard College.

[pull_quote_left]“Quanto mais cedo a Europa reconhecer que irá enfrentar várias décadas de migrações, mais cedo irá desenvolver as políticas necessárias para ajudar a integrar extensas populações de migrantes nas suas economias e sociedades”[/pull_quote_left]

E é esse argumento que se pretende discutir neste artigo. Se os custos económicos decorrentes desta vaga de refugiados e migrantes económicos para a Europa são impossíveis de negar, existem também vários benefícios que o Velho Continente pode, e deve, explorar. A pensar no futuro e de acordo com um artigo publicado na passada quarta-feira no The New York Times, por Eduardo Porter, responsável pela reconhecida coluna Economic Scene do também prestigiado jornal, Porter afiançava que “quanto mais cedo a Europa reconhecer que irá enfrentar várias décadas de migrações, mais cedo irá desenvolver as políticas necessárias para ajudar a integrar extensas populações de migrantes nas suas economias e sociedades”.

O problema reside no facto da quase unanimidade dos especialistas afirmar que se a União Europeia nunca conseguiu ter uma política de migrações coerente, continuar a meter a cabeça na areia agora que a bomba explodiu nas suas mãos não só é um erro, como uma ameaça real ao seu futuro social, demográfico e económico. Como escrevia a revista Economist na sua excelente edição da semana passada – elogiando a cultura do “bem-vindos” protagonizada por Merkel e considerando-a, para além de um exemplo para a Europa, “correcta em termos morais, económicos e políticos” – sendo inevitável que os números impressionantes de refugiados (e migrantes económicos) coloquem incalculáveis preocupações, “encará-los como um fardo é um erro profundo”. Em vez de se construírem muros, “há que saber gerir as pressões e riscos e garantir que tanto os migrantes como os países que os acolhem saiam beneficiados”.

Todavia, garantir esta relação win-win é tudo menos fácil, apesar de crescer em dificuldade à medida que o tempo passa e os impasses persistem.

17092015_HaUmaPoolDeTalentos
Dos preconceitos aos benefícios

As ideias e preconceitos relativamente à entrada de refugiados e migrantes económicos vão dos mais elaborados – “seremos inundados por estrangeiros”, “as nossas economias serão destruídas”, “os benefícios sociais terão de ser reduzidos” e “os terroristas vão-se instalar” – aos mais simples: todos os migrantes económicos, sejam eles do interior ou do exterior da UE, são pobres que querem viver à custa do dinheiro dos contribuintes dos países que os acolhem. Mas e na verdade, como se pode ler no artigo Necessary Migrants, publicado pelo Project Syndicate, na sua grande maioria, estes “estrangeiros” não são “esponjas, mas sim pessoas que querem trabalhar”.

[pull_quote_left]Por que razão é que o sector privado não se manifestou ainda e não se está já a posicionar para abordar com governos e ONG os desafios de curto e longo prazo colocados por este fluxo gigantesco de refugiados?[/pull_quote_left]

O que não sossega os eleitores europeus. Por um lado, porque estes migrantes económicos (e, por consequência, também os refugiados), na maioria das vezes, trabalham mais por menos, face aos locais, o que, obviamente, não é do interesse de todos. Mas e como explica Ian Burman, “apontar os benefícios da mão-de-obra barata não irá persuadir as pessoas a aceitar que os seus salários sofram cortes” e, em qualquer dos casos, “é muito mais fácil apelar à compaixão pelos refugiados do que à aceitação dos migrantes económicos”. Importa também sublinhar que estes últimos terão a sua vida – e os seus sonhos – muito mais dificultada, na medida em que, com o drama dos refugiados e com o enquadramento legal e moral a que têm direito, a entrada de pessoas que pretendem apenas lutar por uma vida melhor será progressivamente embargada ou mesmo negada. Mesmo que refugiados e migrantes económicos paguem o mesmo, passem as mesmas agruras e arrisquem as suas vidas e a das famílias nos mesmos barcos que cruzam o Mediterrâneo ou que percorram as mesmas rotas de acesso à Europa (aliás, o seu ressentimento e possíveis conflitos dele decorrentes é mais uma questão preocupante neste cenário de êxodo).

Mas quais são, então, os principais argumentos para se pensar nas migrações como uma vantagem para a Europa?

Na verdade, são vários e o primeiro está directamente relacionado com a questão “eles vêm roubar os nossos empregos e baixar os nossos salários”. Na coluna acima citada do The NYTimes, o autor socorre-se de um estudo feito em parceria com a Universidade Católica de Louvain, o Banco Mundial e a Universidade da Califórnia, o qual comprova que entre 2000 e 2010, a imigração teve um efeito positivo nos salários dos trabalhadores “nativos”, mesmo os que recebem baixos rendimentos, em quase todos os 34 países que fazem parte da OCDE.

Um outro aspecto positivo e de interesse máximo para a Europa está relacionado com a demografia, em particular com o envelhecimento da população e com a quebra de natalidade e, consequentemente, com a diminuição dos fundos para as pensões. Os países ricos com as taxas de fertilidade mais baixas e com as populações mais envelhecidas beneficiam, como demonstra um outro estudo, dos jovens migrantes em idade activa, que ajudam a equilibrar e/ou a aumentar o declínio da mão-de-obra. O mesmo estudo indica que entre 2000 e 2010, os migrantes foram responsáveis por quase dois terços do crescimento da força de trabalho europeia.

Adicionalmente, e com as mais recentes projecções da ONU no que respeita à população mundial em 2050 – com estimativas que apontam para que esta chegue aos 10 mil milhões e aos 11 mil milhões em 2100 – o crescimento, na sua grande maioria, virá dos pobres, esperando-se que ao longo das próximas décadas, milhões de pessoas deixem os seus locais de origem, forçados pelas guerras, pela ausência de oportunidades e pelos conflitos em torno dos recursos que, devido às alterações climáticas, começam já a ser uma realidade. E a Europa será um dos destinos preferenciais destas pessoas.

17092015_HaUmaPoolDeTalentos2
O incompreensível silêncio das empresas

No meio de tanta discussão e debate envolvendo governos, organizações sem fins lucrativos, instituições da Igreja e da sociedade civil no que respeita aos desafios e possíveis soluções para a crise dos refugiados, o sector empresarial tem-se mantido demasiado calado. Principalmente numa altura de boom de “consciência social”, na qual as empresas, em particular as multinacionais, se orgulham de ser as que mais possibilidades têm para ajudar a mitigar os desafios globais. Se assim é, por que razão é que o sector privado não se manifestou ainda e não se está já a posicionar para abordar com governos e ONG os desafios de curto e longo prazo colocados por este fluxo gigantesco de refugiados?

Mais uma vez, a primeira resposta vem da Alemanha. Na passada terça-feira, os líderes regionais reuniram-se com Angela Merkel – apelando a um maior apoio financeiro por parte do Governo alemão para fazer face ao acolhimento e integração dos refugiados – e, como escrevia o Observador, os responsáveis afirmam que é “necessário um compromisso alargado e um plano não só com o Governo alemão, mas entre todas os Estados, municípios e com os diferentes agentes da economia, como sindicatos e associações empresariais, para atacar esta questão”.

[pull_quote_left]Nos próximos meses, e anos, os países de destino têm de criar as bases para integrar os refugiados nas suas forças de trabalho[/pull_quote_left]

E é verdade que a Federação das Indústrias Alemãs (BDI) foi a primeira a quebrar o silêncio partilhado pelas suas congéneres, ainda antes da intensificação das ondas crescentes que estão a obrigar várias nações europeias – a Alemanha incluída – a fechar provisoriamente as suas fronteiras. Como noticiou a 7 de Setembro a Business Insider, a BDI falou de forma clara e decisiva sobre os benefícios que os refugiados podem trazer às empresas, propondo ainda alterações às leis laborais da Alemanha, incluindo a celeridade no direito ao trabalho por parte dos requerentes de asilo. E para garantir o envolvimento das empresas e a sustentabilidade dos seus investimentos, a BDI tem também procurado assegurar que os migrantes que consigam trabalho não sejam mais tarde deportados. “Se os pudermos integrar rapidamente no mercado de trabalho, estaremos a ajudar os refugiados, mas também a nós mesmos”, na medida em que a Alemanha precisa de preencher falhas significativas na sua força laboral, afirmou Ulrich Grillo, o responsável da BDI, à agência noticiosa AFP.

Perante este cenário, o que podem – e devem – as associações empresariais fazer, em conjunto com os demais agentes do sector privado?

Como defende Lucy P.Marcus, Professora de Liderança e Governance na IE Business School, num interessante artigo intitulado “The Business Case for Europe’s Refugees”, se é unânime que o desafio não está confinado à gestão de gigantescos fluxos de deslocados e ao processamento dos seus pedidos de asilo, também parecem não existir dúvidas que “nos próximos meses, e anos, os países de destino têm de criar as bases para integrar os refugiados nas suas forças de trabalho”. E esperar demasiado tempo é perder uma importante oportunidade para que o sector privado se envolva numa estratégia, em contínuo desenvolvimento, que funcione para as empresas, para as governos e para as sociedades no seu todo.

Para Lucy P.Marcus, os benefícios de um planeamento precoce em termos de avaliação, educação e integração por parte do sector privado, em conjunto com os governos, ajudará os líderes de negócios a identificar as competências e capacidades que beneficiarão as suas áreas de negócio, com base em programas de formação e oferta de estágios, por exemplo.

Ignorância e desconhecimento não ajudam

17092015_HaUmaPoolDeTalentos3Integrar os refugiados na sociedade traz benefícios claros, apesar de nem as populações e, mais grave ainda, nem as próprias empresas fazerem ideia de “quem são” estes refugiados. Tal como indiciam também os estudos acima mencionados, muitos dos refugiados que chegam à Europa são jovens, com uma boa preparação académica, fortes competências e ansiosos por integrar rapidamente a sociedade da nação que os acolhe. E, como também concorda a Professora de Governance, “são um antídoto para as populações envelhecidas e para as baixas taxas de natalidade, sendo que muitos deles anseiam por começar a trabalhar”.

Como também afirmou ao The Guardian, Sheila Heard, directora de uma empresa social denominada Transitions, uma firma de recrutamento sedeada em Londres e que tem como objectivo fazer corresponder empregadores britânicos a refugiados com um bom currículo profissional, “infelizmente, muitas empresas não sabem o que significa o estatuto de refugiado e imaginam de imediato um conjunto enorme de complicações e transtornos para os receber”, lamenta.

[pull_quote_left]Os refugiados são um antídoto para as populações envelhecidas e para as baixas taxas de natalidade, sendo que muitos deles anseiam por começar a trabalhar[/pull_quote_left]

Heard espera que as empresas comecem a considerar os benefícios de integrar refugiados com competências especializadas, afirmando ainda que a Transitions tem ajudado a colocar contabilistas, arquitectos, engenheiros, especialistas em TI, entre outros profissionais qualificados, e que são muitos os empregadores que confessam não ter a mínima ideia da existência desta pool de talento no interior população refugiada.

Complementar e extremamente importante é também o papel que as empresas podem assumir em ajudar a moldar – e a desmistificar – as ideia e preconceitos, em conjunto com as atitudes, que os “locais” têm sobre estas pessoas. Lucy P. Marcus deu o bom exemplo dos clubes de futebol que, um pouco por toda a Europa, não estão apenas a fazer donativos, mas a dar passos concretos para encorajar uma atmosfera acolhedora, com faixas de boas-vindas e, por exemplo, disponibilizando campos de formação para refugiados. Um excelente exemplo é protagonizado pelo Bayern de Munique, que já se disponibilizou no apoio do ensino da língua alemã aos deslocados que ali permanecerem.

Se a maioria dos debates se tem centrado nas implicações financeiras e nos custos variados desta crise, talvez seja a hora de se encarar a mesma também como um desafio para as empresas e, transformá-la, ao invés, num enorme beneficio para ambas as partes envolvidas.