“Eppur si muove”: porque as Cassandras do Clima estão (provavelmente) erradas

“O movimento iniciado em Paris e a tomada de consciência do imperativo da neutralidade carbónica estão vivos e de boa saúde, mesmo se o processo negocial internacional sob a égide das Nações Unidas apresenta sinais de cansaço”