No século XX um bom líder era frio, autoritário e cheio de certezas. No século XXI, um bom líder é empático, ouve os outros e tem dúvidas. Ou pelo menos assim deveria ser
POR SOFIA SANTOS

O tema da empatia tem ganhado relevância na área da gestão e constitui hoje uma das áreas do saber que mais me fascina. Não sendo psicóloga, mas uma mera economista que aprendeu que as equações e as rectas dos gráficos nos indicavam as soluções correctas para os problemas do país e das empresas, compreendi, com a experiência e vivência das situações, que a empatia pode ajudar a resolver muitos problemas e que a falta dela provoca mal-estar, tristeza e frustração. Se a empatia não for uma característica dos líderes das equipas das empresas, então não podemos achar estranho que os colaboradores tenham baixos níveis de empenho, de entusiasmo e de compromisso. Uma sondagem realizada recentemente pela Gallup identificou que a nível mundial apenas 15% dos colaboradores das empresas estão comprometidos com a organização. Será que este descomprometimento se deve a uma ausência generalizada de empatia por parte dos cargos de gestão? Não sei. Mas atrevo-me a fazer um “educated guess”, de que sim!

Um recente artigo publicado na Magazine Noticias, afirma que de acordo com Dacher Keltner, professor de psicologia e investigador da universidade de Berkeley, alguns dirigentes em cargos de poder “além de se tornarem mais impulsivos e menos cientes dos riscos, são menos capazes de ver o ponto de vista dos outros, ou seja, menos capazes de demonstraruma das características que mais nos tornam humanos, a empatia”. De acordo com Ana Teresa Penim, mestre em Psicologia Organizacional (também citada neste artigo) a sensação de poder absoluto, sobretudo se exercido durante muito tempo, pode distorcer a forma como algumas pessoas percepcionam a legitimidade da sua actuação.

Assim sendo, parece que vários estudos indicam que quanto mais poder temos, menos empáticos ficamos. Ou seja, quanto mais poder tem, menos capacidade temos de motivar e comprometer os outros com a nossa visão. O que faz sentido, se realizarmos que com menor empatia, achamos sempre que somos os detentores da verdade … e quem simpatiza com uma pessoa assim?

Citando a Harvard Business Review “A empatia – a capacidade de ler e entender as emoções, necessidades e pensamentos de outras pessoas – é uma das principais competências da inteligência emocional e uma característica essencial de liderança. É o que nos permite influenciar, inspirar e ajudar as pessoas a alcançar seus sonhos e objectivos. A empatia capacita-nos a conectar com os outros de maneira real e significativa, o que nos torna mais felizes – e mais eficazes – no trabalho.”

[quote_center]Quando existe empatia, a pessoa procura primeiro compreender antes de procurar ser compreendida[/quote_center]

Segundo Stephen Covey, quando existe empatia, a pessoa procura primeiro compreender antes de procurar ser compreendida. E isto é fundamental nas relações de trabalho e, como todos nós sabemos, nas relações pessoais. Na realidade, as relações de trabalho não passam de relações pessoais, e como tal a componente humana e emotiva está sempre presente. A forma como se manifesta é que pode ser diferente: pode ser uma emoção empática ou uma emoção ditatorial. Nas nossas vidas pessoais todos gostamos de ser cuidados e de cuidar de quem gostamos. Todos gostamos de chegar a casa, desabafar as alegrias e as frustrações, e ter alguém que ouve, pergunta e nos ajuda a identificar soluções para os temas que nos atormentam. Os mesmo se passa nas relações de trabalho. A grande questão é que, afinal, no passado, todos nós aprendemos que não deve haver lugar a emoções simpáticas e empáticas nas empresas, apenas emoções frias e inibidoras. E isso implica desmotivação, falta de compromisso e ausência de criatividade. Tudo fatal ao sucesso empresarial.

A empatia, enquanto a experiência de compreender a condição de outra pessoa a partir de sua perspectiva, é também catalisadora da criatividade na identificação dos problemas. Na realidade, a empatia está a entrar gradualmente nas empresas, mas ainda de forma disfarçada, e através do método do Design Thinking tão na moda em Portugal. De acordo com a IDEO, o Design Thinking utiliza elementos como empatia e experimentação para chegar a soluções inovadoras e, ao utilizá-lo, pretende-se identificar soluções que venham ao encontro daquilo que os clientes futuros realmente querem, em vez de confiar apenas em dados históricos ou fazer apostas arriscadas baseadas em instinto, em vez de evidências. Assim sendo, o Design Thinking acaba por ser um método de inovação que assenta na empatia, ou seja, na capacidade de nos colocarmos na posição do outro. Talvez o que seja de facto necessário é expandir a empatia do método de inovação, e assumi-la de forma generalizada como uma característica essencial a desenvolver em todos os colaboradores, começando pela gestão de topo.

[quote_center]A empatia é também catalisadora da criatividade na identificação dos problemas[/quote_center]

Rajeev Vasudeva presidente executivo da Egon Zehnder, empresa de recrutamento de executivos, numa recente entrevista dada ao Expresso, afirma que “o modelo tradicional de liderança em que o CEO tinha uma visão para a empresa, definia as regras e a sua organização formal e as pessoas seguiam-nas, está ultrapassado… o papel do líder será o de comprometer e inspirar um grupo de pessoas para fazer mais do que eles próprios acreditam ser capazes. Mostrar-lhes que podem ser uma melhor versão de si mesmos… motivação é autonomia, é propósito.” E afirma também que esta competência emocional é “a empatia”, que significa que um líder é capaz de “falar ao coração das pessoas e não apenas à sua mente”. Quando lhe é perguntado opinião sobre os líderes actualmente no poder, Rajeev afirma que “não acho que tenhamos todos os líderes de que necessitamos para as novas exigências da função… O líder actual tem de ser muito mais humilde. Não pode estar sentado num pedestal à espera que tudo aconteça em seu redor. Tem de se empenhar, estar lado a lado com as equipas, inspirar e gerir com o coração. O líder de hoje precisa de um treino muito mais emocional do que formal.

Tal como já referi, não sou psicóloga nem tenho formação na área comportamental. Mas compreendo que a empatia se aprende e se treina. Basta querer. E pelos vistos, quem quer ser um futuro CEO de uma empresa, terá de aprender e treinar a ser verdadeiramente empático.

E isso é bom! E que venha depressa.

Sofia Santos

Sustainability Champion in Chief @ Systemic

1 COMENTÁRIO

  1. Muito bom!! Eu, que ando muito por empresas a apoiar gestores, considero essencial este tema.

Comments are closed.