Enquanto um vírus não discrimina biologicamente, os nossos sistemas sociais estão claramente a favorecer o contágio e a sobrevivência de uns sobre os outros, e aqueles com menos rendimentos, menos benefícios e menos direitos estão a lutar na linha de frente contra um inimigo invisível que nos pode tocar a todos
POR JOSIANNE GAUTHIER

Em tempos de ruptura como estes, o que já era insustentável é enfraquecido a ponto de quebrar. Estamos a testemunhar pequenos colapsos por toda parte, expondo a fragilidade e as desigualdades dos sistemas que tínhamos em funcionamento. Esta crise – como referiu o Papa Francisco na sua excepcional bênção e oração Urbi et Orbi pela Pandemia – expõe ” a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projectos, os nossos hábitos e prioridades”.

Ao enfrentarmos os choques sistémicos que provocam grande incerteza e medo, somos agora forçados a reconhecer a nossa interdependência. De facto, cuidarmos uns dos outros é a única maneira de ir verdadeiramente além destas crises e ainda temos tanto a aprender sobre nós mesmos.

Este contágio não provém de uma mutação viral, mas sim da invasão humana de habitats selvagens. Na origem desta crise estão os nossos estilos de vida insalubres e insustentáveis ​​de poluição do ar, má nutrição e excesso de trabalho. Na origem estão os sistemas sociais que não forneceram recursos médicos suficientes e falharam em valorizar o trabalho de assistência ou garantir a segurança social para enviar as pessoas para casa, para isolar o contágio e curar os doentes. Não somos iguais diante desta crise.

A nossa dependência frequentemente ignorada de trabalhadores vulneráveis ​​que realizam trabalhos essenciais em todo o mundo foi dolorosamente exposta à luz do dia. As cadeias globais de fabricação – milhões de pessoas que produzem os nossos produtos em fábricas correndo risco de vida por escassos salários – são interrompidas sem desemprego ou benefícios à saúde ou colocadas sob pressão por equipamentos vitais. O sistema alimentar globalizado igualmente complexo, injusto e insustentável – de agricultores a colaboradores de supermercados – foi interrompido quando as mãos de campo migratórias tiveram a sua passagem recusada. Quantas vezes negligenciamos os cuidadores – enfermeiros nas clínicas e em casa, equipas de limpeza, cuidadores de crianças, assim como professores e educadores – quase sempre mulheres, que agora estão a correr para preencher as lacunas? Enquanto isso, também sabemos que o isolamento e a incerteza do confinamento colocam muito mais mulheres em maior risco de violência doméstica.

O trabalho destas pessoas mantém-nos vivos, mas as suas vidas são contínua e actualmente ameaçadas pelo seu trabalho. Estes trabalhadores são pressionados a trabalhar o dobro do tempo e com protecção ou cobertura de saúde inadequadas. Enquanto um vírus não discrimina biologicamente, os nossos sistemas sociais estão claramente a favorecer o contágio e a sobrevivência de uns sobre os outros, e aqueles com menos rendimentos, menos benefícios e menos direitos estão a lutar na linha de frente contra um inimigo invisível que nos pode tocar a todos: a COVID-19. A vulnerabilidade deles é a nossa vulnerabilidade. Somos todos interdependentes. Estamos todos ligados.

Aqueles que vivem em constante estado de crise não podem ser esquecidos. Podemos ter a certeza de que as comunidades que as organizações membro da CIDSE já apoiam, vivendo em situações de escassez de recursos ou recursos poluídosmigração inseguraconflitos violentos, opressão e ocupação, verão apenas o seu sofrimento exacerbado pela pandemia. A ajuda a estas comunidades não deve apenas ser continuada, mas reforçada, pois são estas as pessoas que lutam para permanecer vivas no dia-a-dia nestas condições. Eles já estavam presos por um fio anteriormente.

As profundas fragilidades do nosso sistema foram reveladas e as verdadeiras soluções não podem emergir da mesma mentalidade que as criou.

Como sociedades e como humanidade, poderíamos escolher uma resposta radical, uma verdadeira cura das feridas que nos levam a esta crise. Na sua Carta a todas as pessoas do mundo, a Encíclica Laudato Si’, bem como no Sínodo especial para a Amazónia, o Papa Francisco chamou-nos para uma verdadeira conversão ecológica, uma transformação das nossas perspectivas e modos de vida. Temos agora a oportunidade de questionar os modelos que prejudicam a vida neste planeta e propor algo novo.

A CIDSE vem reflectindo há algum tempo sobre uma abordagem sistémica da mudança, que procura modelos alternativos de consumo, economia e da nossa relação com a natureza. Podemos ouvir o clamor dos pobres e da terra desta vez? Podemos reconhecer a negligência e abuso das pessoas e do planeta pelo qual fomos levados a este ponto de ruptura? Podemos voltar aos nossos valores e reavaliar as grandes fontes de vida, cuidado e trabalho que garantem a sobrevivência de todos nós? Podemos deixar-nos humilhar, aproveitar este tempo para reflectir e escolher uma resposta que seja uma verdadeira cura?

Os países europeus provaram que podemos interromper repentinamente actividades económicas desnecessárias para enfrentar uma crise com risco de vida. Isso é inédito e lembra-nos que tudo o que falta para enfrentar a ameaça das alterações climáticas é a vontade política e um verdadeiro senso de urgência. Os esforços de alguns governos para implementar rapidamente políticas socioeconómicas anteriormente impensáveis, como interromper o pagamento de dívidas e redistribuição imediata de renda, mostram que as pessoas podem ser colocadas antes do lucro e podem ser apoiadas economicamente por uma transição justa quando enfrentamos um desastre natural.

Enquanto a COP26 foi adiada, a atmosfera continua a absorver carbono e a acção não deve ser adiada. A longo prazo, as medidas de isolamento – essenciais para a saúde pública e, portanto, o bem-estar humano – levar-nos-ão, no mínimo, a uma recessão, se não a uma grave depressão económica. Os sectores económicos insustentáveis ​​já estão alinhados com os resgates, e sem princípios sobre quem, por que razão e como é que os actores devem receber apoio, correndo o risco de repetir os erros da crise económica de 2008, que apenas produziu maior desigualdade.

Embora o crescimento económico se torne quase impossível no norte global, esta é uma grande oportunidade para a justiça global. A redução de nosso próprio consumo colocaria menos pressão no fluxo extractivo de recursos naturais do sul global, libertando recursos para o desenvolvimento de infra-estruturas cruciais, especialmente nestes tempos de necessidade premente, como clínicas de saúde ou acesso à energia. Podemos adaptar as nossas prioridades económicas em torno do bem-estar e de um ambiente saudável, e não em torno do crescimento.

Mesmo nestas horas sombrias, há o brilho ofuscante da esperança à distância. Estamos a ver gestos espontâneos de amor, vida, celebração, música, arte e amizade entre vizinhos. Testemunhamos a coragem ilimitada dos profissionais de saúde. Estamos a assistir a comunidades que se unem à medida que as pessoas procuram algum propósito entre o caos e querem ajudar da maneira que puderem. Certamente, é nisso que nos devemos concentrar. A interconectividade das pessoas e as múltiplas crises que estamos a enfrentar não podem mais ser negadas, assim como as soluções que procuramos.

Enquanto nos preparamos para a fase pós-COVID das nossas vidas, podemos ver além deste momento de confusão e medo e permitir-nos ser transformados e ouvir outra verdade que não a que nos trouxe aqui. Vamos ter coragem e força para sermos fiéis ao que valorizamos e amamos: pessoas, natureza e vida. Vamos unir-nos e liderar a partir de um lugar de verdade sobre o mundo que queremos reconstruir juntos, ouvindo os sussurros gentis que ouvimos quando o ruído do nosso estilo de vida destrutivo é silenciado.