Negócios da (e com a) China

"As naturezas dos homens são parecidas; são os seus hábitos que os afastam uns dos outros". A frase é, supostamente, de Confúcio, mas significativamente...

Conciliação é “um compromisso colectivo”

0
Denomina-se Programa 3 em Linha e foi apresentado recentemente pelo Governo com o intuito de “promover um maior equilíbrio entre a vida profissional, pessoal...

“As crises despertam os maiores medos”

0
É inevitável, as situações de crise “despertam nas pessoas os seus maiores medos”. E quanto menos perceberem qual é o sentido de lutarem para...

Empresas menos opacas precisam-se

0
Foram 105 as multinacionais escrutinadas pela rede global anticorrupção Transparency International e os resultados são desanimadores, mesmo com o registo de algumas melhorias face...

Ou tens googleyness ou já foste

0
O ambiente laboral está em mutação e muitas são as empresas que lutam para descodificar o que querem os jovens que estão a entrar...

Pessoas activamente religiosas são mais felizes?

0
Numa palavra, sim, e tendo em conta um estudo abrangente realizado em 35 países pelo Pew Research Center. E não só mais felizes, como...

Cometeu um crime? Passe um cheque

2
No universo “paralelo” em que se movem os grandes gigantes da banca é o que acontece. Por mais fraudulenta que seja a sua actividade,...

Para além da diplomacia

0
De acordo com um artigo publicado na edição de Inverno da Stanford Social Innovation Review, as organizações da sociedade civil estão a alterar, substancialmente,...

Por que razão trabalhamos tanto?

0
Se o trabalho constituiu, e durante um longo período, um meio para atingir um fim – ou seja, trabalhávamos para ganhar dinheiro suficiente para prover as nossas necessidades – e a “vida” era o que acontecia fora dele, na actualidade o trabalho é mais um fim e, mais importante, a própria vida

“Reforçamos a autonomia com vista à reinserção”

0
Centrando a sua intervenção na reinserção profissional, familiar e social de “pessoas sem comunidade que são colocadas perante a falência de si mesmas”, o...

COM O APOIO DE:

Parceiro Gulbenkian

Os 50 anos da Doutrina de Friedman e o propósito em...

0
Apesar das críticas ao ensaio de Friedman, há uma verdade inconveniente que continua a persistir para todos os que procuram uma versão mais “suave” do capitalismo: a de que se uma empresa não está a obter lucros para os accionistas, é muito difícil cuidar dos seus outros constituintes