A solidão pode matar

1
A solidão é já considerada como a epidemia do século XXI

Vítimas de tráfico: marcadas para a vida

0
Em pleno século XXI, a realidade do tráfico humano traduz-se numa rede tão cruel quanto lucrativa. Alertando para o crescente número de emigrantes que...

A geração ”quer-tudo”

0
Querem uma carreira internacional, “moderna” e flexível, ter casa própria e filhos, garantir que exista um equilíbrio saudável entre ambas, seguir os seus sonhos,...

Porque o medo também é contagioso

0
“O que faz o coronavírus ser particularmente alarmante é o facto de estar rodeado de incógnitas e, mesmo sabendo-se que, no abstracto, a doença pode ser considerada como ‘ligeira’, a verdade é que tal não ajuda a inibir o medo”

Consumidores estão cada vez mais exigentes e mimados

0
O “melhor” está ao seu alcance e já não se contentam com pouco. No novo mundo do retalho, cada produto e/ou marca está sempre...

A face humana da crise

0
Com 44 milhões de desempregados no conjunto dos países da OCDE e sem perspectivas de crescimento económico, a questão do desemprego assumiu um estatuto...

Trabalhadores sem direitos, democracia ameaçada

0
Parece mentira, mas é a mais pura realidade: as restrições à liberdade dos trabalhadores têm vindo a aumentar e os seus direitos a diminuir....

A pensar nos que ficam

0
Alargado, recentemente à cidade da Guarda, o programa “Somos Por Si, Somos Por Portugal”, iniciativa da Fundação São João de Deus, intervém junto de...

Aspirações e motivações dos “novos Novos”

0
Têm mais de 45 anos e são responsáveis por mais de 50% do consumo em Portugal, percentagem esta que só tenderá a aumentar face...

Obrigatório adiar vida adulta

0
Os jovens que, nos últimos anos, começaram a integrar as fileiras do mercado laboral têm sido descritos, sociologicamente, como uma geração “tardia” em termos...

PARCEIROS

parceiros ver

Rede Sociais

4,155FansCurti

Os 50 anos da Doutrina de Friedman e o propósito em...

0
Apesar das críticas ao ensaio de Friedman, há uma verdade inconveniente que continua a persistir para todos os que procuram uma versão mais “suave” do capitalismo: a de que se uma empresa não está a obter lucros para os accionistas, é muito difícil cuidar dos seus outros constituintes