O lobo bom e o lobo mau

Aquilo que “alimentarmos”, que sustentarmos com o nosso tempo, energia e acção, irá florescer. Podemos alimentar e manter uma atitude de raiva, arrogância ou inferioridade ou podemos optar por alimentar uma atitude de paz, empatia ou compaixão

Liderança: humildade e soberba

Um líder humilde tem noção apurada das suas próprias forças e fraquezas, reconhece as qualidades e os contributos dos outros, e está disposto a aprender. A humildade não deve ser confundida com fraca autoestima nem com a tendência para se deixar humilhar

Quão emocionalmente inteligente é a sua empresa?

O domínio das competências de inteligência emocional torna-se cada vez mais crítico, particularmente para os que se encontram na linha da frente das empresas e que tomam decisões que podem ter um impacto sério na reputação da marca e na relação com os clientes

A agilidade é a nova moeda dos negócios

Os modelos de negócios que resistiram ao longo de décadas estão agora sob ameaça enquanto resultado da disrupção digital e as equipas de liderança têm de reconhecer que abraçar a incerteza e ter a coragem de tomar decisões ousadas representa o novo normal

Maças podres, cultura e factores situacionais: o porquê e o como...

Não existe nenhuma receita mágica para erradicar os lapsos éticos, mas através de uma melhor percepção do que influencia a tomada de decisão e o comportamento das pessoas, as empresas poderão agir com base em melhores evidências para os combater

Talento: o que esperam os empregados dos empregadores e vice-versa?

Os empregados esperam maiores níveis de transparência, mais flexibilidade e maior responsabilização por parte das empresas que os pretendem atrair e reter.

O início da morte do primado do accionista? (I)

O Business Roundtable, lobby empresarial que integra 181 CEOs das maiores empresas dos Estados Unidos, oficializou uma nova Declaração sobre o Propósito da Empresa, na qual se compromete em beneficiar todos os stakeholders e a não colocar os interesses dos accionistas em primeiro lugar.

O que as empresas devem fazer para acreditarmos nas suas boas...

“Colocar os stakeholders em primeiro lugar” pode soar bem como princípio, mas é fácil perder de vista o que tal realmente significa. Como podem as grandes empresas abraçar, genuinamente, este novo propósito?

Ano de 2018 bate recordes no número de CEOs despedidos por...

Pela 1ª vez em 19 anos, as saídas forçadas de CEOs das maiores empresas mundiais devem-se a “lapsos éticos” e não a uma pobre performance financeira

Liderança moral ainda é raridade nas empresas

Por mais urgente que seja adoptar uma liderança moral, esta continua a ser um oásis no meio do deserto

PARCEIROS

parceiros ver

Rede Sociais

4,059FansCurti

Riscos globais: turbulência é o novo normal

De uma forma geral, a economia global está a confrontar-se com um “abrandamento sincronizado”, os cinco últimos anos foram os mais quentes desde que há registos e espera-se que os ciberataques aumentem este ano