Luigino Bruni: “a economia é a gramática da linguagem social”

“Nós, em Assis, focamo-nos nos jovens porque se queremos ter esperança, devemos esperar com eles. E ouvi-los-emos. Será um encontro dedicado ao pensamento económico dos jovens”

Será mesmo necessário um Ethics Office?

A existência generalizada de organizações éticas talvez seja (ainda) uma utopia. Mas cabe a cada um de nós, gestores, trabalhadores, políticos, investigadores, educadores ou cidadãos em geral, reconhecer a sua importância e fazer com que haja um crescente número de organizações (mais) éticas

Os 10 maiores escândalos empresariais dos últimos 20 anos

Empresas tão distintas como a Enron, o Lehman Brothers, a BP ou a Kobe Steel ficarão na história como casos clássicos de falta de ética e com repercussões negativas para os seus líderes, equipas de gestão e empregados.

É possível treinar as pessoas para tomarem decisões éticas?

O desafio para quem trabalha em ética empresarial é ajudar as organizações a criarem circunstâncias que facilitem e promovam uma tomada de decisões com elevados padrões de ética

A batalha para a confiança será travada no campo do comportamento ético

A análise identificou que a confiança é construída de acordo com dois factores por excelência: a competência e o comportamento ético. E uma avaliação mais profunda demonstrou que, nos dias de hoje, nenhuma instituição é considerada como simultaneamente competente e ética

WhistleBlowing ou SpeakUp?

“Ninguém se tem que sentir ‘herói’ para reportar. Reportar terá que ser encarado como um comportamento natural, desejável e até como uma forma de demonstrar respeito por todos os que fazem parte da organização”

Como os gestores influenciam a cultura ética

Os empregados cujos gestores discutem frequentemente tópicos de ética e compliance têm o dobro de probabilidades de se sentirem confortáveis para falarem com os seus chefes se tiverem suspeitas ou provas de má conduta

Ética: mais do que uma nota de pé de página

“No centro da ética figura o princípio de fazer o bem. E evitar agir erradamente é a consequência deste princípio básico. Assim, o que é realmente importante é fazer o bem e não evitar fazer o mal”

Ética e “Responsabilidade Social Corporativa”: uma visão pessoal

A empresa tem uma racionalidade económica própria, mas não é «intrinsecamente neutra nem de natureza desumana e antissocial»

Liderança: humildade e soberba

Um líder humilde tem noção apurada das suas próprias forças e fraquezas, reconhece as qualidades e os contributos dos outros, e está disposto a aprender. A humildade não deve ser confundida com fraca autoestima nem com a tendência para se deixar humilhar