Amor na gestão

Nestes dias quentes de Verão somos por vezes surpreendidos pela proverbial lufada de ar fresco. Sensação paralela encontra-se na leitura de alguns textos, como...

Se não tiver amor, nada sou

0
O amor ao próximo como critério de gestão: tratar os colaboradores, os clientes, os fornecedores, os accionistas, os concorrentes, a comunidade e as gerações...

“O amor é o critério de liderança mais exigente”

0
Quando se confronta a liderança empresarial com a “força transformadora da palavra amor”, percebe-se “que nada fica igual”. É por esse motivo que a...

Cooperação e saber amar o inimigo

0
Foi o primeiro tema a ser objecto de reflexão no 2º dia do Congresso de gestores e empresários cristãos. Para definir o valor, em...

Relações maximizam geração de valor

0
A perda de confiança gerada pela crise é “um obstáculo de peso à gestão empresarial”, pois é dela que depende “a robustez dos mercados”....

O líder é o primeiro a servir

0
Intitular um artigo sobre colaboradores dando ênfase ao líder parece, à primeira vista e no mínimo, incoerente. Mas se tomarmos em consideração as lições...

Não pendurar os valores juntamente com o casaco

0
O que têm em comum uma country manager de uma multinacional, um administrador de um grupo de grandes dimensões e um director de jornal?...

Amor e economia: um confronto improvável

0
No ano em que celebra 60 anos de existência, a Associação Cristã de Empresários e Gestores escolheu, para mote do seu 5º Congresso, a...

Os 50 anos da Doutrina de Friedman e o propósito em...

0
Apesar das críticas ao ensaio de Friedman, há uma verdade inconveniente que continua a persistir para todos os que procuram uma versão mais “suave” do capitalismo: a de que se uma empresa não está a obter lucros para os accionistas, é muito difícil cuidar dos seus outros constituintes

Rede Sociais

4,155FansCurti