Na EDP, a Ética é, de há muitos anos a esta parte, um vetor muito importante na gestão da companhia e em 2019 foi preparado pelo Gabinete do Provedor de Ética um Programa de Ética que visa colocar de um modo ainda mais explícito no foco das várias unidades, esta dimensão da aproximação à gestão

POR EQUIPA DO GABINETE DO PROVEDOR DE ÉTICA

A ética, (…), não fornece um mapa, mas uma bússola, ou seja, algo que serve para nos orientarmos no mundo humano, nas nossas relações com os outros, na nossa vida, (…)”

Retirado de Introdução à Ética, José Manuel Santos, Documenta, 2012

Celebra-se no dia 16 de Outubro o “Global Ethics Day”, que foi instituído pelo Carnegie Council for Ethics in International Affairs em 2014. A missão deste “conselho” é alargar o conjunto de pessoas e de organizações a quem transmitir que a Ética realmente importa, seja onde ou em que circunstâncias for. Por isso, a sinalização deste dia permite às empresas e às organizações em geral, e naturalmente aos seus membros, pensarem a Ética: no que representa para cada um, pessoas ou instituições, e no que podemos fazer para, potenciando atuações éticas, contribuirmos para uma sociedade mais equilibrada e justa.

Claro que não basta celebrar datas e dedicar algumas horas a debater o tema. É preciso construir. Mas sem dúvida que conversar, ouvir exemplos, reconhecer boas práticas é inequivocamente importante. Por isso faz sentido celebrar, sinalizar, comemorar, dedicar tempo a pensar.

Na EDP estamos certos disto e por isso, instituímos como prática encontros regulares internos onde promovemos a reflexão sobre Ética, nomeadamente quando aplicada às empresas, aos negócios e à sua vivência quotidiana neste meio. Celebrando este dia especial, iremos dedicar-lhe um tempo de reflexão sobre Ética Empresarial levando, a todos os colaboradores, a permanente e pertinente chamada de atenção de que a Ética importa em tudo o que somos e que fazemos.

Na EDP, a Ética é, de há muitos anos a esta parte, um vetor muito importante na gestão da companhia e em 2019 foi preparado pelo Gabinete do Provedor de Ética um Programa de Ética que visa colocar de um modo ainda mais explícito no foco das várias unidades, esta dimensão da aproximação à gestão: seja no fortalecimento dos nossos instrumentos formais – os Códigos e Políticas, as análises de risco ético, a formação – seja na prática de uma forma de estar em que “pensar Ética” na definição de estratégias de negócio, na construção de soluções, na tomada de decisão em geral, passe a ser “business as usual”.

Sabemos que este desafio é um caminho, que se faz de pequenos passos e de demonstrações singelas. Mas faz-se sobretudo…fazendo! Para tal temos reunido esforços: continuar a construir e implementar um modelo que permita ajudar as partes interessadas da EDP a viver e decidir eticamente.

E é nesse “fazer” que se enquadra, por exemplo, o Modelo de Formação transversal em Ética que desenhámos este ano e que nos permitirá, através de um conjunto de princípios de regularidade das mensagens, de forte relação entre conceitos e factos, de atenção especial a áreas de maior risco ético potencial, entre outros, ajudar os colaboradores da EDP a serem mais fortes na sua atuação diária.

Outro exemplo é o projeto da Ética nas tecnologias. Não queremos que a digitalização abra a possibilidade de atuações não éticas e que permita injustiça, falta de transparência e de integridade. A evolução tecnológica tem que ser acompanhada pela Ética para que seja uma evolução que não coloque as máquinas acima da pessoa. O futuro só existirá no quadro de uma aplicação ética que objetive os modelos de confiança entre os homens, as suas instituições e as máquinas, mais ou menos inteligentes.

Acreditamos muito na bondade dos desafios que desenhamos e é nisso que fundamentamos o caminho que estamos a traçar. O âmago da ética é de uma natureza inteiramente paradoxal, porque é teorizar sobre aquilo que há de mais prático: agir. Se percebermos a profundidade do trabalho em ética, percebemos a dificuldade que este traz, mas também a beleza por ser, antes de mais, bom. A grande contenda na ética empresarial é mostrar aos outros aquilo que descobrimos: uma beleza profunda, uma importância peculiar e um desafio constante para conseguir alcançar algum bem.