A tecnologia da educação (EdTech) é uma das poucas indústrias com uma forte procura crescente, reforçando o seu potencial de rentabilidade e o papel que pode desempenhar no bem-estar da sociedade. A propagação global do coronavírus (COVID-19) exigiu uma regulamentação drástica num esforço para o conter. Uma das primeiras medidas obrigatórias tomadas pelos países afetados foi o encerramento de todas as escolas
POR KIRILL PYSHKIN

Segundo algumas estimativas, há atualmente 1,6 mil milhões de alunos e estudantes afetados pelo encerramento ou 9 em cada 10, que estão a estudar a forma de lidar com a situação atual.

Os súbitos ajustamentos dos processos educativos e a alteração da dinâmica entre todas as partes envolvidas – escolas, professores, alunos e pais – estão a desafiar rotinas familiares e a ameaçar objetivos públicos cruciais. Por conseguinte, o Banco Mundial encarregou a sua equipa de peritos EdTech [1] de apoiar os responsáveis políticos de todo o mundo no sentido de facilitar a continuação do ensino básico, adaptando-se às tecnologias modernas.

A EdTech é essencial e não apenas um luxo do futuro

O valor prático da EdTech melhorou rapidamente a partir da sua posição pré-pandémica: anteriormente considerada um complemento aos sistemas tradicionais de ensino, é agora essencial para a preservação de uma sociedade em progresso. O sector da educação global, avaliado em 5 biliões de dólares, levou várias décadas a atingir uma penetração digital de 2-3% antes do coronavírus, que era, aliás, muito baixa em comparação com outros sectores, mas agora a aprendizagem passou a ser feita online com uma rapidez sem precedentes.

Assim, o vírus tem sido um verdadeiro catalisador que impulsiona a EdTech para o mainstream e as coisas nunca mais serão as mesmas, mesmo depois da pandemia.

As instituições que anteriormente trabalhavam com plataformas educativas digitais já beneficiaram, durante a crise do COVID-19, da sua abordagem contemporânea. Estas escolas dominaram sem problemas a súbita transição para o ensino em casa, facilitando o processo de adaptação dos alunos e dos pais. O seu investimento precoce em equipamento e software e no treino do pessoal educativo permitiu-lhes continuar as suas operações com o mínimo de interrupções. Ao mesmo tempo, as empresas de aprendizagem online assistiram a um aumento do tráfego e de novas inscrições de utilizadores. Estes utilizadores são normalmente alunos a quem os seus professores atribuem os cursos ou, por vezes, adultos que talvez se aborreçam simplesmente em casa, uma vez que o tráfego normalmente aumentou 3 a 5 dias após o anúncio do lockdown.

A EdTech é uma oportunidade de investimento atrativa e proporciona benefícios sociais cruciais

Os investidores há muito que identificaram as janelas de oportunidade oferecidas pela tecnologia nas salas de aula.

No entanto, a sua recente expansão sem precedentes destaca ainda mais a sua atração:

A EdTech é tão atrativa a longo prazo como na sua fase inicial de desenvolvimento, caracterizada por um forte crescimento de topo e de base das empresas. Isto, combinado com o súbito papel vital da EdTech durante a COVID-19, intensifica as oportunidades de crescimento global anteriormente não exploradas. Além disso, o investimento na EdTech tem também um forte impacto socioeconómico positivo que apoia o quarto objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU: a Educação…

A educação está diretamente ligada à redução global da pobreza e a EdTech desempenha um papel importante na sociedade, melhorando o acesso e reduzindo os custos da educação, mesmo nos locais mais remotos.

Durante a pandemia, algumas das empresas de EdTech tornaram-se ainda mais importantes para a sociedade. Por exemplo, a Afya Educacional, no Brasil, abriu a sua plataforma de formação online Medcel a todos os médicos estagiários (alunos de internato) de todo o país. Também desenvolveram um curso de ventilação mecânica, cujo acesso é gratuito através do seu site. E, mesmo antes do vírus, trabalharam com o Governo no âmbito do programa “Mais Médicos”, que visa especificamente combater a escassez de médicos no Brasil rural.

A EdTech vai continuar a revolucionar a aprendizagem

A EdTech vai continuar a crescer como um dos sectores mais rápidos na transformação digital. A sua capacidade de recolher e aproveitar Big Data traz mais potencial de inovação para melhorar a tecnologia, ao mesmo tempo que beneficia os estudantes.

Por exemplo, os céticos da educação digital estão preocupados com a interação social limitada que ela oferece. Uma vida isolada pode ser prejudicial e a educação deve ajudar os estudantes a desenvolverem competências transversais, como a criatividade e a empatia. Como resposta, as novas aplicações digitais alargam agora o espectro da educação social, recriando virtualmente a experiência da sala de aula, permitindo a aprendizagem em grupo, as sessões de fuga de equipa e a colaboração online em projetos.

“A EdTech está a desenvolver-se e a ser adotada tão rapidamente nos tempos atuais que pode mudar para sempre o panorama educacional”, diz Joanna Tasker, especialista em educação da Tech London Advocates.

Espera-se que a EdTech mantenha a dinâmica após a COVID-19

A globalização continuará a trazer novas oportunidades e desafios aos seres humanos – condições em que a EdTech tem prosperado fortemente e oferecido soluções para situações complexas. Assim, os especialistas concordam que a importância deste sector durante a COVID-19 prediz a sua integração fundamental na maioria das formas de aprendizagem num futuro próximo.

© Crédit Suisse. 2020. Todos os direitos reservados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here