…E TEM DENTE! Para trincar, em pleno Largo do Intendente, diversos petiscos nacionais, confeccionados com ingredientes tradicionais de seis regiões do interior do País. O restaurante, a que se junta uma loja de produtos regionais, foi lançado este mês com o desígnio de mostrar aos muitos turistas que passeiam em Lisboa o que de melhor se faz em território nacional, na gastronomia, nos vinhos, nos queijos e enchidos, no artesanato. O VER esteve na inauguração do novo espaço e, à conversa com o sócio-gerente do projecto, Guilherme Miguez, revela o contributo do País profundo para a emergente tendência ‘Glocal’
POR GABRIELA COSTA

Há um novo espaço de restauração e comércio em Lisboa que promove os produtos regionais portugueses e disponibiliza, no coração da capital, o que de melhor se faz nos territórios do interior do País.

É no multicultural bairro do Intendente que funciona, desde o dia 4 de Julho, o restaurante …E TEM DENTE!, que privilegia a cozinha tradicional, e a loja “PRODUTOS&TERRITÓRIOS”, que vende exclusivamente produtos regionais portugueses. O projecto, cuja missão passa por impulsionar o desenvolvimento local a uma dimensão global, nasce pela mão do casal Guilherme Miguez, sócio-gerente, e Rita Vilar, Chef de cozinha.

O projecto de restauração assenta numa carta bimensal, com direito a menu gastronómico, repleta de tapas e petiscos confeccionados a partir de pratos tradicionais da gastronomia portuguesa, valorizando a utilização de ingredientes e de produtos dos territórios representados: Terra Fria Transmontana, Terras de Sicó, Pinhal Interior Sul, Norte e Centro Alentejano e Ribatejo Interior.

Desta forma, e como sublinha Guilherme Miguez, “os clientes terão oportunidade de degustar várias especialidades gastronómicas portuguesas numa única refeição, porque vamos servir pequenas porções”. Todos os pratos serão servidos em louça de cerâmica das regiões representadas, para dar a conhecer esta tradição nacional.

A cafetaria complementa este serviço, permitindo a degustação de outros elementos da gastronomia regional, como a pastelaria e a doçaria. Ao fim de semana são servidos brunches ‘à moda portuguesa’, com ingredientes como queijos, pão, compotas, doces, fumados, enchidos e frutos secos, provenientes também dos vários territórios divulgados no novo espaço lisboeta, cuja loja disponibiliza, em exclusivo, produtos alimentares e não alimentares (como louças, artesanato, tapeçarias e têxteis) oriundos destas seis regiões. Representados vão estar mais de uma centena de produtores de vinhos, azeites, marmeladas e doces, mel, cervejas, queijos e enchidos, entre outros.

O espaço integra ainda um programa de animação mensal, com exposições, recriações e oficinas temáticas, entre outras actividades, com o intuito de dar a conhecer e valorizar as tradições, a gastronomia, a natureza e os produtos locais das regiões envolvidas.

A iniciativa, que conta com o apoio do Programa de Desenvolvimento Rural LEADER, resulta de uma parceria com as Associações de Desenvolvimento Local CoraNE – Terra Fria Transmontana, TERRAS DE SICÓ, PINHAL MAIOR – Pinhal Interior Sul, ADER-AL – Norte Alentejo, MONTE-ACE – Alentejo Central e TAGUS – Ribatejo Interior, as quais “se empenharam em criar uma montra dos seus territórios na capital, para despertar o interesse de quem habita ou visita Lisboa por outras regiões do País”.

Presentes, no evento de lançamento do restaurante …E TEM DENTE! e da loja PRODUTOS&TERRITÓRIOS, estiveram a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins; os presidentes da Câmara de Abrantes e de Vila Rei, respectivamente Maria do Céu Albuquerque e Ricardo Jorge Aires; a presidente da Câmara Municipal de Constância e presidente da Tagus – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior, Júlia Amorim; a presidente da Federação Minha Terra, Maria João Botelho; e vários músicos, como Rodrigo Leão e Samuel Palitos (de projectos como a Naifa), entre outros.

O VER compareceu também à inauguração do novo espaço integrado no cada vez mais turístico Largo do Intendente, e comprovou a qualidade das iguarias e dos produtos regionais que por ali são rei.

Em entrevista, Guilherme Miguez explica como este projecto “contribui positivamente para promover as comunidades locais a uma dimensão global”, dando resposta à cada vez mais expressiva tendência ‘Glocal’.


Como surgiu a ideia de lançarem este projecto que alia um restaurante de tapas e petiscos que recriam a cozinha tradicional portuguesa com uma loja de produtos regionais?

Há já alguns anos pensámos lançar-nos num projecto diferenciado na área da restauração. Essa ideia foi interrompida com uma boa oferta para irmos trabalhar para Angola. Regressámos há cerca de oito meses e há cerca de quatro soubemos da existência de um concurso público, no qual participámos e que acabámos por vencer.

A oportunidade encaixou ‘que nem uma luva’ pois, aliada à experiência de restauração que procurávamos (também na sequência de um restaurante que a Rita já teve), temos a possibilidade de gerir uma loja de venda de produtos de elevada qualidade e que muitas vezes não se encontram nas grandes superfícies comerciais, porque as quantidades produzidas não permitem.

Quais são os objectivos da parceria estabelecida com seis Associações de Desenvolvimento Local, com o apoio do Programa de Desenvolvimento Local LEADER?

A parceria resulta de termos ganho o concurso e os objectivos da mesma têm a ver com o querer dar a conhecer e sentir, tanto ao consumidor português como ao estrangeiro, o que de melhor se faz em Portugal. As Associações de Desenvolvimento Local têm um papel muito importante, pois estreitam as relações comerciais entre produtor e distribuidor, conferindo-lhes maior credibilidade e consistência. Muitos destes produtores viram os seus projectos submetidos e aprovados pelas associações, com apoios financeiros para a implementação dos mesmos.

Com um conceito diferenciador, o restaurante …E TEM DENTE! permite saborear os vários sabores de Portugal em formato de petisco

É notável e de louvar a elevada qualidade dos produtos existentes nos territórios, mas lamentável que muitos produtores, pela sua dimensão e recursos, não tenham meios para fazer chegar os seus produtos aos centros urbanos.  

De que modo pensam valorizar este novo espaço no Intendente ao utilizarem ingredientes típicos e produtos tradicionais das várias regiões representadas, apoiando assim mais de uma centena de produtores de vinhos, azeites, marmeladas e doces, mel, cervejas, queijos e enchidos, entre outros?

O conceito é diferenciador, pois permite num único momento partilhar e saborear os vários sabores de Portugal em formato de petisco.

Pretende-se dar a conhecer os produtos e sabores de vários territórios de Portugal, oferecendo uma experiência inovadora a qualquer cliente que entre no espaço, quer pela atractividade e variedade da gama de produtos regionais expostos à venda, quer pela oportunidade de sentir vários sabores portugueses num único momento de partilha; experiência esta sempre aliada a um serviço de excelência, num ambiente descontraído que mistura o tradicional com o moderno e propício ao convívio.

Em que medida este conceito contribui para a emergente tendência ‘Glocal’, promovendo as comunidades locais a uma dimensão global? Como é que a promoção das tradições nacionais, visível em opções como a utilização de louça de cerâmica e a inclusão no projecto de um programa de animação cultural, contribui para este objectivo?

A transmissão da cultura portuguesa através da promoção de gastronomia e de produtos locais aos turistas contribui positivamente para promover as comunidades locais a uma dimensão global.

Muitas vezes os produtos regionais, de elevada qualidade, não se encontram nas grandes superfícies porque as quantidades produzidas não permitem

Ao utilizarmos no serviço peças de barro típicas dos nossos territórios conseguimos criar uma experiência bastante rica que será seguramente difundida pela comunidade internacional nos seus territórios.

O sentimento de pátria quer-se ainda partilhado através da decoração do espaço com vários elementos típicos, como as almofadas de Alcobaça, e a dinamização de eventos culturais e exposições, para além de acções de formação com os produtores associados à iniciativa, na sala multiusos integrada no local.

De que modo o renovado bairro multicultural do Intendente contribui para a vossa ambição de virem a ser reconhecidos pelos clientes nacionais e estrangeiros como uma montra do que de melhor se faz nos territórios do interior do País?

O Intendente surge por ser o espaço alocado ao concurso mas encaixa bem no projecto, pois é uma zona de Lisboa que está em grande transformação, com uma forte e crescente presença de turistas e que faz parte da freguesia de Lisboa com maior diversidade cultural. Desta forma, teremos um elevado número de visitas de clientes de inúmeras nacionalidades e de portugueses que cada vez frequentam mais este bairro, o que torna o Intendente numa excelente localização para transmitir o que de melhor se faz no nosso país.

Muitos produtores, pela sua dimensão e recursos, não têm meios para fazer chegar os seus produtos aos centros urbanos

A visão do restaurante ….E TEM DENTE! e da loja PRODUTOS E TERRITÓRIOS consiste em serem reconhecidos tanto pelo cliente nacional como pelo estrangeiro como o espaço mais “rico” de Lisboa na oferta de produtos e sabores regionais portugueses , com um serviço de excelência e um ambiente de grande descontração e propício ao convívio.

Horário de funcionamento:

Restaurante …E TEM DENTE!
De Domingo a Quinta-Feira: das 11h às 23h
Sextas e Sábados: das 11h às 02h
Encerra à 2ª Feira

Loja PRODUTOS E TERRITÓRIOS:
De 3ª a Domingo: das 11h às 22h
Encerra à 2ª Feira