Foi para “ajudar os jovens a alcançar o seu máximo potencial” que nasceu a Associação Inspirar o Futuro. Em entrevista ao VER, e numa altura de grande expectativa para os jovens que pretendem entrar no ensino superior, o seu presidente explica que esta organização pretende auxiliar os jovens a adquirir “a capacidade de definir os seus próprios caminhos”, dando-lhes ferramentas que lhes permitem “alcançar os seus objectivos”. Para Eduardo Filho não existem dúvidas: “se inspirarmos os jovens a serem mais conscientes e mais proactivos quanto ao seu futuro, estes serão mais realizados e felizes”
POR
MÁRIA POMBO

Foi com o intuito de auxiliar os jovens na construção do seu projecto de vida e de carreira, dando-lhes uma maior consciência das suas capacidades e da realidade à sua volta (nomeadamente em termos de empregabilidade), que nasceu a Associação Inspirar o Futuro. O Yorn Inspiring Future é o projecto que marcou o seu arranque e, através de visitas presenciais da equipa a escolas secundárias, permite precisamente que “os jovens descubram qual será o caminho académico que os vai levar da melhor forma a cumprir o seu objectivo de vida e de carreira”.

Ao longo do ano lectivo que acabou recentemente, os membros da equipa do Yorn Inspiring Future estiveram presentes em 250 escolas, tendo apoiado, de forma directa, cerca de 45 mil alunos do 12º ano. E nos seus quatro anos de existência, conseguiram ajudar mais de cem mil jovens a tomar decisões mais conscientes.

O mesmo projecto recebeu recentemente um financiamento do Portugal 2020, através do programa Portugal Inovação Social, e o dinheiro irá permitir não apenas o seu crescimento como também a sua sustentabilidade para os próximos anos.

Em entrevista ao VER, o presidente da Associação Inspirar o Futuro e co-fundador do projecto Inspiring Furture sublinha que “precisamos de uma geração mais consciente, mais empreendedora e mais preparada para resolver os problemas da sociedade”. Adicionalmente, Eduardo Filho lança um desafio aos jovens: “que acreditem em si mesmos, que tenham objectivos concretos (não interessa quais, se são alcançáveis, se são a curto ou a longo prazo, ou se sabem com certeza que é esse o melhor caminho a seguir), que parem regularmente para pensar no que querem alcançar da sua vida e que façam um plano para o alcançar”.

Com base na ideia de apoiar “uma decisão consciente para o futuro”, um dos objectivos da Associação Inspirar o Futuro é ajudar os jovens a adequar os seus CV à oferta existente no mercado de trabalho, abrindo-lhes um leque de opções. Como é que esse processo é feito?

O nosso principal objectivo é ajudar os jovens a alcançar o seu máximo potencial. Para isso, é necessário que esses jovens compreendam duas realidades: por um lado, eles têm de descobrir melhor as suas motivações, os seus interesses e como vão criar um plano de acção que os faça alcançar os objectivos que, eles próprios, devem definir para a sua vida e para a sua carreira; por outro lado, precisam também de ter uma maior consciência sobre o mercado trabalho, que passa tanto por descobrir qual é a oferta que existe – ou, ainda mais importante, a que vai existir daqui a três, cinco ou dez anos – como também qual o perfil e as competências que vão precisar para essas funções. Portanto, esse leque de possibilidades/opções só estará disponível caso os jovens estejam conscientes de como conciliam duas realidades: a sua realidade pessoal e aquela que lhes permite acrescentar valor ao mercado de trabalho.

Todos os nossos projectos tentam fazê-los reflectir sobre essas questões, seja através do Yorn Inspiring Future, através do qual vamos a escolas secundárias acompanhados por instituições do ensino superior, o que permite que os jovens descubram qual será o caminho académico que os vai levar da melhor forma a esse objectivo, seja através do Inspiring Career Camp.

Inspiring Career Camp, um dos projectos da Associação Inspirar o Futuro

De que modo funciona o projecto Inspiring Career Camp e em que medida é que o mesmo consegue ajudar os jovens a tomar uma “decisão consciente”?

O Inspiring Career Camp é um campo (mas, tal como brincamos), não de férias, mas sim de trabalho. É um programa de duas semanas onde os jovens recebem formação durante a primeira semana, para compreenderem quem são, o que querem e como podem utilizar essas forças para melhor se apresentarem no mercado de trabalho, e visitam empresas/experimentam profissões diferentes na segunda semana. Esta é passada nas próprias empresas e representam as profissões mais procuradas dentro de cada área profissional. Assim, as duas realidades estão presentes, mas aqui a descoberta do mercado de trabalho é feita de forma imersiva na empresa.

Até que ponto existe o risco de um jovem ser “encaminhado” para uma área que tem mais saída mas com a qual não se identifica? Como é feita a gestão das expectativas?

Esse risco existe quando os próprios ou as pessoas que os estão a tentar encaminhar sobrepõem a informação que é divulgada pelos vários agentes à estratégia da própria pessoa.

A grande questão à volta dessas decisões é que não existe uma resposta certa ou uma fórmula mágica. Ninguém pode dizer que um curso com mais empregabilidade hoje vai continuar a sê-lo daqui a três ou cinco anos. Nem sequer que um jovem que escolha o curso com a maior taxa de desemprego não vai conseguir ser o melhor da sua área.

Particularmente, nem sou apologista de as instituições de ensino superior divulgarem as suas taxas de empregabilidade da forma como o fazem. Dizer que um curso tem 99% de empregabilidade é o mesmo que dizer que é escusado o jovem fazer seja o que for durante o curso, porque vai ficar empregado independentemente disso. Ninguém lhe diz é que provavelmente poderá ser infeliz para o resto da sua vida, num trabalho que não gosta.

Precisamos de uma geração mais consciente, mais empreendedora e mais preparada, não apenas tecnicamente, mas para resolver os problemas da sociedade

Portanto a gestão de expectativas tem de ser feita pelo próprio. Consciente das dificuldades que poderá encontrar caso queira mesmo seguir uma área em que a empregabilidade possa não ser tão rápida, ou mesmo ciente das consequências que poderão surgir com essa decisão, como por exemplo exercer essa profissão de sonho, mas no estrangeiro.

Por outro lado, os cursos com maior taxa de empregabilidade correspondem, muitas vezes, a mercados muito competitivos, o que fará com que estes jovens precisem de ter ainda melhores qualificações para que consigam ser bem-sucedidos.

Na época de candidaturas ao ensino superior, diversos alunos recorreram ao projecto Yorn Inspiring Future para pedir ajuda em termos de preenchimento dos formulários de candidatura. Concretamente, que apoio dão a estes jovens? Como funciona a vossa acção?

O Projecto Yorn Inspiring Future é um projecto de terreno, que culmina com a candidatura ao ensino superior. Trata-se de uma feira de orientação profissional que se realiza durante uma manhã em cada escola secundária.

Nessa manhã de actividades, estes jovens têm acesso a várias formações e apresentações. Primeiro, assistem a uma sessão de acesso ao ensino superior – que lhes tira todas as dúvidas sobre as formas de fazer a sua candidatura ao ensino superior –, e depois participam em workshops nas seguintes áreas: tomada de decisão (que os ajuda a compreender o processo de tomada de decisão conscientes); proactividade (que lhes permite compreender como podem definir um plano de acção pessoal para alcançarem os seus objectivos); e mercado de trabalho (para que compreendam como podem desenvolver um perfil ideal para as suas carreiras). No final, as várias instituições de ensino superior fazem apresentações da sua oferta educativa.

O principal objectivo deste projecto é, de certa forma, injectar-lhes uma grande dose de adrenalina durante uma manhã, pois não é nesse período de tempo que as decisões são tomadas, mas também dar-lhes as ferramentas necessárias para começar a definir esse plano de acção.

Exactamente porque sabemos que lhes estamos a colocar mais dúvidas do que certezas, mas dando-lhes as formas de encontrarem as suas soluções, a nossa plataforma serve para que esse apoio na tomada de decisão e na escolha do curso, seja feito transversalmente até à altura da candidatura.

Em que medida é que o apoio que a Associação Inspirar o Futuro dá aos jovens tem impacto no seu futuro e na própria sociedade?

Nós acreditamos que, se inspirarmos os jovens a serem mais conscientes e mais proactivos quanto ao seu futuro, estes serão em última instância mais realizados e mais felizes. Só assim conseguiremos ter a melhor geração de profissionais de sempre.

Se o crescimento económico do nosso país tem como pedra fundamental o sucesso das nossas empresas, o investimento que fazemos nelas não pode ser feito exclusivamente através da capacitação financeira das mesmas. As empresas são feitas por pessoas, pessoas que precisam de se sentir realizadas e motivadas no trabalho. Precisamos de uma geração mais consciente, mais empreendedora e mais preparada, não apenas tecnicamente, porque isso já é, mas mais preparada para resolver os problemas da sociedade.

O projecto Inspiring Future recebeu recentemente um financiamento do Portugal 2020, através do programa Portugal Inovação Social. Em que medida é que este financiamento vos ajuda a cumprir o vosso objectivo?

Enquanto organização no âmbito da economia social, o nosso principal objectivo é gerar impacto e transformação social através dos nossos vários projectos, e não lucro. Contudo, isso não significa que os projectos não tenham de ser sustentáveis. Numa altura em que tanto se fala de empreendedorismo e dos apoios financeiros às empresas e startups, é muito importante promovermos a necessidade de soluções inovadoras que trabalhem este outro lado mais “pessoal”, de respostas às pessoas. Daí a importância do programa operacional Portugal Inovação Social, que de uma forma inovadora, vem dar novos recursos a estes projectos de inovação social que antes nem sequer podiam candidatar-se aos fundos europeus.

Em concreto, fomos aprovados pelo instrumento de financiamento Parcerias para o Impacto, num total de 215 mil euros, o que irá permitir não só escalar ainda mais o nosso projecto, como garantir a sustentabilidade financeira do mesmo para os próximos três anos.

A associação participou no Encontro Nacional de Direcções Associativas do Ensino Básico e Secundário

De acordo com a OCDE, os NEET (jovens que não trabalham nem estudam) são, essencialmente, jovens com baixos níveis de escolaridade, com parcas condições económicas, que vivem em famílias monoparentais e que exigem alguns cuidados de saúde. No entanto, neste mesmo grupo encontram-se também muitos jovens licenciados que, após largos períodos de tempo, continuam em busca de uma oportunidade que não aparece. Como comenta esta tendência crescente de NEET qualificados? O que é que falha nesta “equação” e o que é que deve ser feito para melhorar a situação dos jovens?

Este problema tem vindo a agravar-se, principalmente com a crise, mas penso que muitas vezes é um problema de expectativas e de preparação para a entrada no mercado de trabalho.

Em primeiro lugar, foi generalizada a ideia de que não existe trabalho em Portugal. Os jovens, que ainda nem sabem muito bem como se posicionar nesse mercado, obviamente acreditam nisso. Mas, na realidade, todos os dias falamos com empresas de vários sectores, e todas referem que têm muita dificuldade para encontrar candidatos adequados.

Muitas empresas queixam-se da forma como os jovens apresentam as suas candidaturas, sem qualquer contextualização do motivo para o qual querem aquele trabalho, e sem qualquer conhecimento sobre a empresa

Muitos dos recém-licenciados têm expectativas de trabalhar numa única profissão, ficando assim estagnados, por desconhecimento do mercado e por não compreenderem que, com um curso, podem fazer muita coisa. Mas como eles não encontram aquela “única” coisa para a qual tanto trabalharam, acabam por ficar estagnados. Dando um exemplo concreto, já que o curso de arquitectura foi considerado um dos cursos com piores taxas de desemprego do País, um recém-formado em arquitectura não tem necessariamente de ir trabalhar para um atelier de arquitectura. Há empresas de engenharia, entidades municipais e de ordenamento do território, entre outras profissões, para onde podem candidatar-se, mas o que eles querem é um atelier. E, portanto, são muitas vezes obrigados a ir para o estrangeiro ou ficar aqui em situação NEET.

Em segundo lugar, esta incapacidade de adaptação, ou até o desespero de encontrar algo, faz com que muitos destes jovens tentem depois candidatar-se para qualquer coisa e não para as funções onde podem realmente acrescentar valor. Muitas empresas queixam-se da forma como os jovens apresentam as suas candidaturas, sem qualquer contextualização do motivo para o qual querem aquele trabalho ou empresa, sem qualquer conhecimento sobre a empresa ou a função que querem desempenhar. Desta forma, as empresas acabam por não considerar estas candidaturas como válidas, principalmente num contexto tão concorrencial, onde para cada vaga concorrem centenas de pessoas.

Portanto, os jovens têm de começar a conhecer melhor o mercado e as suas várias saídas profissionais, têm de descobrir onde acrescentam verdadeiramente valor e desenvolver o perfil ideal para essa função, para que depois consigam focar-se nas vagas disponíveis e em como se vão apresentar, de forma a destacarem-se do resto dos concorrentes.

E quais são as vossas estratégias para combater a taxa de desemprego junto destes jovens que não trabalham nem estudam?

A nossa estratégia está sempre a montante do problema: ajudar a próxima geração a não cair nessa situação ou, se cair – porque NEET existirão sempre – saber como ultrapassar essa fase.

Exactamente por trabalharmos antes do problema é que estamos a tentar apanhar os jovens nas suas fases imediatas às transições, seja do ensino secundário para o ensino superior, seja do ensino superior para o mercado de trabalho. Para que eles tenham a capacidade de definir os seus próprios caminhos e saibam como alcançar os seus objectivos.

Isto faz-se apresentando-lhes melhores saídas, dando-lhes melhores ferramentas e transformando comportamentos, principalmente, a nível das soft-skills, que são tão descuradas pelos seus percursos académicos.

Quantos alunos já ajudaram e quantas escolas contam com o apoio da Associação Inspirar o Futuro?

Apenas neste ano lectivo, estivemos presentes em 250 escolas secundárias, públicas e privadas, espalhadas por todo o território de Portugal continental, abrangendo assim cerca de 42 mil jovens, apenas do 12º ano, para além dos diversos jovens que ainda estão no 10º e 11º e que tiveram acesso a informação de forma mais indirecta.

Nos quatro anos lectivos de existência, e graças ao nosso crescimento rápido e exponencial, já apoiámos mais de 100 mil jovens do 12º ano.

Que iniciativas estão a decorrer actualmente e quais é que estão previstas para o próximo ano lectivo?

Neste momento, estamos a acabar o ano lectivo com os vários programas do Inspiring Career Camp, que passou por Lisboa, Porto e também em Cascais, em parceria com a DNA Cascais.

No próximo ano lectivo, iremos voltar a realizar o roadshow do Yorn Inspiring Future, tentando envolver cada vez mais escolas secundárias, principalmente de zonas onde a nossa presença ainda não é significativa, como o Algarve, Alentejo, Coimbra e ilhas.

Vamos também tentar escalar o nosso projecto Unlimited Future, que tem como objectivo dar formações a alunos universitários sobre soft-skills.

Qual é a principal mensagem que pretende deixar aos jovens (tanto aqueles que frequentam o ensino secundário como os que estão a entrar no mercado de trabalho)?

A principal mensagem que tento, todos os dias, passar aos jovens é que acreditem em si mesmos, que tenham objectivos concretos (não interessa quais, se são alcançáveis, se são a curto ou a longo prazo, ou se sabem com certeza que é esse o melhor caminho a seguir). Que parem regularmente para pensar no que querem alcançar da sua vida, nesse momento, e que façam um plano para o alcançar.

A vida vai dar muitas voltas e muitos desses objectivos até poderão não ser conseguidos, mas certamente que pelo caminho, se estiverem sempre atentos e disponíveis para novas coisas, outros caminhos ainda mais interessantes vão surgir e, com cada um deles, serão melhores do que eram ontem.