HOME >  
 
Comportamento
A força da vontade

Se é adepto da procrastinação, saiba que esta é considerada um vício universal. Se pensa que deixar aquele trabalho para o último minuto é inteligente porque trabalha melhor sob pressão, desengane-se. Se não resiste à tentação de comer uma bolacha em vez de uma maçã, não acredite que tal não fará mal à sua dieta. Se acredita que a sua força de vontade não pode ser desenvolvida, leia este artigo: pesquisas neurocientíficas recentes asseguram que esta é como um músculo que pode ser exercitado e fortalecido
POR HELENA OLIVEIRA

© DR

“As pessoas com pouca força de vontade usam-na para saírem das suas próprias crises; as que têm muita força de vontade utilizam-na para as evitar”. A frase é do psicólogo social norte-americano Roy F. Baumeister que, em parceria com o editor de ciência do The New York Times, John Tierney, escreveu um livro intitulado “Willpower: Rediscovering  our Greatest Strenght”.

Dado que a preguiça, a incapacidade de controlar os nossos impulsos mais negativos, as tentações, a procrastinação ou a falta de vontade para terminar um determinado trabalho, seguir uma dieta ou ir regularmente ao ginásio são realidades que “atacam” o comum dos mortais, o VER decidiu partilhar com os seus leitores uma boa notícia: a força de vontade e o autocontrolo (que andam de mãos dadas) funcionam como um músculo que pode ser exercitado e fortalecido (v.Caixa).

Este é o principal argumento do livro de Baumeister que, há mais de três décadas, se dedica a estudar os mecanismos cerebrais responsáveis pela força de vontade (ou pela falta dela) e que afirma perentoriamente que esta constitui “a principal chave para a obtenção do sucesso e de uma vida feliz”.

Pese embora a diferente conotação que cada um de nós atribui ao significado de sucesso ou de felicidade, a verdade é que numa altura em que Portugal está mergulhado num alto muro de lamentações, ter a força e a vontade para continuar a lutar não é tarefa fácil. Antes de a crise eclodir, estimava-se que, em Portugal, 25% da população sofria de depressão, sendo que os psicólogos são unânimes em relacionar (o que não é de admirar) o declínio das condições de vida com o aumento dos estados depressivos, principalmente pela ausência de alternativas a curto-prazo.

Assim, saber que existem formas de exercitar este “músculo”, de o tornar mais forte e de melhorar a nossa capacidade para gerir desejos conflituosos e optar por escolhas mais adequadas constitui motivo suficiente para viajarmos neste livro (e recorrendo a outros estudos similares) que, ao contrário da simples literatura de autoajuda, está suficientemente sustentado em argumentos científicos. Iniciemos, então, o caminho para a descoberta de alguns mistérios relacionados com a temática da força de vontade.

A metáfora do músculo
Nos anos de 1960, o sociólogo Walter Mischel estava interessado em perceber a forma como as crianças, de tenra idade, resistiam à gratificação instantânea: com um conjunto de miúdos, deu-lhes a escolher entre receberem um marshmallow de imediato ou dois, caso esperassem 15 minutos. Décadas passadas e de acordo com os seus registos, o sociólogo descobriu que os miúdos, na altura com quatro anos, que tinham conseguido aguentar os 15 agonizantes minutos, se tinham transformado em adultos mais disciplinados, com menor propensão para o abuso de drogas, com uma autoestima mais elevada, relacionamentos mais saudáveis e duradouros, maior capacidade para lidar com o stress, melhores graus académicos e salários mais elevados.

As descobertas de Mischel ganharam nova relevância devido a um estudo notável, de longo prazo, realizado na Nova Zelândia e concluído em 2010. Ao longo de 32 anos, uma equipa composta por vários investigadores internacionais, seguiu 1000 pessoas, desde o seu nascimento, avaliando os seus níveis de força de vontade e de autocontrolo, mediante várias formas.

E o que descobriram foi que, mesmo tendo em conta diferenças em termos de inteligência, raça e classe social, aqueles que demonstraram maiores níveis de autocontrolo, se transformaram em adultos mais saudáveis, felizes e com maiores capacidades financeiras. Inversamente, os que apresentavam níveis baixos de controlo, tiveram um desempenho académico mais fraco, exerciam funções mal pagas, não tinham poupanças, demonstravam tendência para excesso de peso, bem como para problema com drogas e álcool e uma capacidade reduzida para manter relacionamentos estáveis. Mais ainda, a probabilidade para serem criminalmente condenados era quatro vezes superior quando comparada com os membros do primeiro grupo.

 Mas afinal como funciona o autocontrolo e, por consequência, a força de vontade? Quando lutamos contra um desejo ou impulso, o esforço que fazemos para o combater é algo extenuante, muito similar a uma guerra travada no nosso cérebro entre duas forças antagónicas. Falamos na necessidade de uma enorme força de vontade, em nos forçarmos a irmos trabalhar ou a reprimirmo-nos para não deixarmos o “mau feitio” levar a melhor, como se fossemos um animal doméstico indisciplinado. E, nos últimos anos, o psicólogo Roy F. Baumeister demonstrou que esta metáfora forçada possui um núcleo de realidade neurobiológica.

Nas primeiras experiências divulgadas por Baumeister, em 1998, o psicólogo, em conjunto com os seus colaboradores, descobriu que a força de vontade, tal como um músculo, pode atingir um estado de extrema fatiga. Imediatamente após um grupo de estudantes se ter envolvido em tarefas que exigiam o controlo dos seus impulsos – resistir a bolachas enquanto tinham fome, serem obrigados a seguir uma exposição completamente aborrecida enquanto tinham de ignorar um vídeo humorista ou suprimir as suas emoções enquanto viam a famosa e triste cena de “Laços de Ternura”, filme no qual Debra Winger tem de se despedir dos seus filhos pois sabe que vai morrer – todos eles demonstraram lapsos significativos em tarefas subsequentes que também exigiam força de vontade, como a resolução de puzzles complexos ou guardarem o dinheiro recebido pela participação no estudo e não o gastarem de imediato em guloseimas. Baumeister apelidou este efeito como “esgotamento do ego”, utilizando o conceito freudiano do ego como a entidade mental que controla as paixões.

De seguida, e mantendo a mesma metáfora, Baumeister levou-a ainda mais longe demonstrando que um ego esgotado pode ser revigorado, sendo que uma das formas de o fazer é ingerir pequenas quantidades de açúcar, o que fornece ao cérebro uma dose extra de glucose, necessária para o exercício de um maior autocontrolo. Mas a sua maior descoberta consistiu no facto de que o autocontrolo apesar de ser, em parte, uma característica hereditária, poderá ser trabalhado através de vários exercícios. Assim, envolveu os estudantes em regimes que lhes exigiam que mantivessem um registo da sua alimentação, fizessem exercício regularmente, que utilizassem o rato do computador com a mão esquerda (pequenas tarefas a que não estamos habituados servem para melhorar o autocontrolo), que se expressassem com frases o mais completas possíveis, evitando o calão. Depois de várias  semanas, os estudantes participantes no estudo demonstraram uma maior resistência à “exaustão do ego” em laboratório, a par de um maior autocontrolo das suas vidas. Fumavam, bebiam e comiam menos “snacks”, viam menos televisão e estudavam mais.

Mais ainda, os neurocientistas acreditam que este tipo de actividades, em conjunto, por exemplo, com a aprendizagem de uma nova língua ou com meditação, reforçam os caminhos neuronais no córtex pré-frontal do cérebro ajudando-nos a dizer “sim” aos nossos objectivos e “não” à procrastinação e às tentações.

Tal como Baumeister, a psicóloga Kelly McGonigal, da Universidade de Stanford e autora de um livro que está prestes a ser publicado, intitulado “The Willpower Instinct”, confirma que o exercício da força de vontade exige ao cérebro o dispêndio de grandes doses de energia sob a forma de glucose, especialmente quando sentimos fome ou não existe capacidade de este a metabolizar de forma tão eficaz quanto é normal, o que acontece em situações de ausência de horas de sono ou em casos de  stress. Como afirmou ao The Globe, “todas estas situações causam uma disfunção moderada no córtex pré-frontal”, acrescentando que “é como se tivéssemos algum dano cerebral nas áreas em que precisamos de ter autocontrolo, o que nos transforma na pior versão de nós mesmos”, e nos faz gritar com os filhos, falhar um prazo de trabalho ou atacar o frigorífico e enchermo-nos de gelado.

Outros estudos recentes, que utilizam a imagiologia cerebral, indicam que diferentes regiões do córtex pré-frontal são responsáveis por elementos distintos da força de vontade. O seu lado esquerdo “puxa-nos” para cima e permite-nos cumprir pelo menos algumas das tarefas da nossa lista diária, enquanto o lado direito ajuda a evitar as tentações responsáveis pelo descarrilar das dietas, do trabalho ou do exercício. E existe ainda numa região mais pequena do cérebro, denominada córtex pré-frontal ventromedial, que ajuda a pesar todas as decisões que são feitas na nossa mente minuto a minuto. Será melhor ver o que se está a passar no Facebook ou escrever aquele memorando? Como uma bolacha de chocolate ou uma maçã? Como é que vou responder à birra do meu filho?

Para os investigadores, o facto de as pessoas que apresentam níveis mais elevados de autocontrolo geralmente tomarem melhores decisões, considerando os objectivos de longo prazo em detrimento da gratificação instantânea, deve-se, muito possivelmente, a uma melhor coordenação entre todas estas regiões cerebrais envolvidas na força de vontade.

© DR

A procrastinação é um vício universal
O último capítulo do livro de Baumeister é dedicado àquele que é considerado como o mais generalizado vício dos seres humanos: a procrastinação. E como todos nós, em maior ou menor grau, já deixámos para amanhã o que poderíamos ter feito hoje, faz sentido divulgar a análise dos autores.

De acordo com os mesmos, vários investigadores que têm vindo a estudar dados provenientes de várias partes do mundo concluíram que, nos últimos 40 anos, à medida que as economias se foram modernizando e as tentações tecnológicas proliferando, tem existido um aumento significativo nas fileiras dos procrastinadores dedicados: ou seja, aqueles que consideram a procrastinação como uma característica pessoal que os define. Essa categoria inclui actualmente mais de 20% do número total  de pessoas entrevistadas internacionalmente. Em algumas pesquisas feitas entre norte-americanos, mais de metade dos entrevistados consideram-se procrastinadores crónicos, sendo que entre os trabalhadores auscultados, as estimativas de tempo perdido no trabalho ascendem a duas horas diárias, aproveitadas para tudo menos para trabalhar. “Quando os procrastinadores se sentem ansiosos relativamente a uma tarefa complexa ou apenas aborrecidos com a execução de um qualquer trabalho, não conseguem resistir à tentação de fazerem algo diferente que melhore o seu humor”. Procuram a recompensa imediata, optando por um jogo no computador, por exemplo em vez de terminarem um relatório ou arrumarem a cozinha, tentando ignorar as consequências a longo prazo. E quando os pensamentos dos prazos começam a ‘intrometer-se’ no cérebro, a tendência é dizer a nós mesmos que esperar até ao último minuto é uma jogada inteligente: “eu trabalho muito melhor sob pressão” é uma frase comum a muitos de nós, mesmo sabendo que nos estamos a enganar a nós próprios.

E é por isso que Baumeister e Tierney cobrem, no livro, uma série de estratégias para preservar a força de vontade e afastar a procrastinação: como escolher as batalhas que interessam, fazer uma lista do “a fazer” e do “anão fazer”, a importância de manter um registo dos progressos (ou da sua ausência), entre outros conselhos úteis.

Os autores aconselham igualmente que as pessoas devem estabelecer, em conjunto com um objectivo, uma recompensa. Se se utilizar apenas a força de vontade para negarmos coisas a nós mesmos, esta transformar-se-á numa forma de defesa horrível e ingrata. Daí que a recompensa, em detrimento do castigo, seja a melhor forma de aumentarmos a nossa força de vontade.

A culpabilização por tarefas não feitas, ao contrário do que se possa pensar, pode ser significativamente contraproducente. Um outro estudo citado pelos autores refere que as pessoas que perdoam a si mesmas uma tarefa falhada, têm maior capacidade para seguir em frente e tentar outra vez. Afinal, todos nós já passámos pelo mesmo. Daí que a professora de Stanford, Kelly McGonigal, dê o seguinte conselho: “Se queremos ter mais força de vontade, temos de aprender a ser, em simultâneo, um amigo e um mentor de nós mesmos”. “Equiparar o autocontrolo como a autocrítica não é a solução”.

Fortalecer a vontade

De acordo com os vários estudos consultados, é possível afirmar que existem quatro tipos de força de vontade: o controlo dos pensamentos, o controlo das emoções, o controlo dos impulsos (capacidade para resistir à tentação) e o controlo da performance (cumprir uma tarefa). Seguem-se algumas dicas para cultivar e fazer florescer a sua força de vontade:

  • O primeiro passo para a força de vontade é estabelecer um objectivo (e não vários ao mesmo tempo);
  • Conheça os seus limites;
  • Escolha as suas batalhas;
  • Faça uma lista de “ a fazer” (sem exagerar);
  • Tenha particular atenção em subestimar o tempo necessário para cumprir uma tarefa;
  • É do senso comum, mas uma dieta alimentar saudável e exercício físico são imprescindíveis para a força da sua vontade;
  • Utilize a procrastinação positiva;
  • Concentre-se numa coisa só de cada vez (mesmo);
  • Mantenha um registo dos seus progressos;
  • Recompense-se a si mesmo muitas vezes;
  • O desenvolvimento de hábitos saudáveis e a manutenção de rotinas aumenta o autocontrolo;
  • Não se esqueça que a força de vontade é como um músculo que pode ficar fatigado se demasiado utilizado, mas que pode ser reforçado a longo prazo, se o exercitar;
  • Fortalecer a força de vontade numa área da sua vida tem um efeito de contágio relativamente às demais áreas;
  • O trabalho mental utiliza a glucose, o principal composto (e combustível) da força de vontade;
  • As pessoas com níveis elevados de autocontrolo utilizam a sua força de vontade não para acudir a emergências, mas para as evitar

VER© 2012 - Todos os direitos reservados. Publicado em 29 de Fevereiro de 2012
Partilhar


Comentários
Ligia Ribeiro
|
01-03-2012 10:29
Mana, Envio porque sei que gostas destas matérias e tb pq pode ajudar. Beijinhos. Anita
maria josé dinis
|
01-03-2012 13:23
Uma matéria oportuna e inteligente, susceptivel de ser posta em prática com resultados muito compensadores, desde que tenhamos a coragem de iniciar o processo com muita força de vontade e, acreditemos em nós. Não tenho dúvidas de que o exercicio do explanado, tomado como terapia efetifa, poderá redundar em resultados muito positivos na nossa vida bio-psico-social e espiritual, e económica e, e......... É por isso que a "boa" educação constitui a infra- estrutura do ser (todos sabemos). Apressemo-nos então a mudar o paradigma para que as gerações vindouras tenham outra qualidade de vida. É nosso dever deixar o mundo melhor do que o encontámos. O meu abraço Maria José
maria josé dinis
|
01-03-2012 13:23
Uma matéria oportuna e inteligente, susceptivel de ser posta em prática com resultados muito compensadores, desde que tenhamos a coragem de iniciar o processo com muita força de vontade e, acreditemos em nós. Não tenho dúvidas de que o exercicio do explanado, tomado como terapia efetifa, poderá redundar em resultados muito positivos na nossa vida bio-psico-social e espiritual, e económica e, e......... É por isso que a "boa" educação constitui a infra- estrutura do ser (todos sabemos). Apressemo-nos então a mudar o paradigma para que as gerações vindouras tenham outra qualidade de vida. É nosso dever deixar o mundo melhor do que o encontámos. O meu abraço Maria José
Manuel Lopes
|
01-03-2012 21:10
Excelente
Manuel Lopes
|
01-03-2012 21:13
Excelente artigo



Envie o seu comentário
Nome (*)
E-mail (*)
Cidade/ Localidade
Comentário (*)
O Portal VER reserva-se o direito de publicar ou não os comentários recebidos seleccionando-os segundo os seus critérios de importância e coerência. Comentários considerados como ofensivos serão imediatamente retirados do website.

Partilha Ver
PARTILHAR
 
 
Artigos da NewsLetter
Artigos da Newsletter
Newsletter
Clipping
Receba os artigos, entrevistas e opiniões semanalmente publicados no portal VER
Email:
Parceiros VER
Parceiros VER
Parceiros VER
Questionário VER
Questionário VER

Concorda com um Código de Ética para os economistas?

   Sim 
   Não 
   NS/NR 
Ver Resultados


Mapa do Site
O registo e o uso deste portal implicam a aceitação dos Termos de Utilização do Portal VER (revistos em Novembro de 2007), bem como a sua Política de Privacidade. Portal VER © 2010.
Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo deste site não pode ser replicado, copiado, distribuído ou transmitido sem autorização escrita prévia.
Todos os conteúdos relativos aos parceiros deste site são da inteira responsabilidade dos mesmos.
Os artigos de opinião publicados no Portal são da inteira responsabilidade dos seus autores.