HOME >  
 
100 anos de IBM
“Perpetuar o que faz de nós...nós!”

A famosa Big Blue comemorou, a 16 de Junho último, o seu centenário. Contar a sua história seria mergulhar também na história da computação, na medida em que ambas são indissociáveis. Para marcar esta efeméride, o VER entrevistou José Joaquim de Oliveira, presidente da IBM Portugal e falou igualmente com Lara Campos Tropa, Directora de Marketing, Comunicações e Cidadania da empresa. Conversas sobre um passado repleto de futuro
POR HELENA OLIVEIRA

O centenário da IBM serviu não só para se recordar os seus inúmeros marcos, mas também para reflexão por parte dos analistas do sector no que respeita ao seu contínuo florescimento, numa área em que a inovação e a mudança podem tanto dar origem a um passaporte para o futuro como a uma simples certidão de óbito. Como sabemos e ainda bem, a International Business Machines tem um passado com futuro e continua a somar vitórias. É presença assídua nos rankings da performance de excelência – foi avaliada pela Fortune como a 7ª empresa mais lucrativa de 2011, considerada como a 2ª melhor marca global pela Interbrand, a 3ª melhor em termos ambientais pela Newsweek e a 18ª mais inovadora pela Fast Company.

Adicionalmente, é a empresa norte-americana que maior número de patentes detém e das suas fileiras saíram vários Prémios Nobel. São inúmeros os galardões que colecciona, bem como as invenções que dos seus famosos laboratórios saíram.

Para os mais curiosos, a história dos 100 anos da IBM está magnificamente contada no site que preparou para celebrar esta efeméride. Mas o VER não quis deixar passar a oportunidade e, para assinalar a data, entrevistou o presidente da IBM Portugal, José Joaquim de Oliveira. E porque a Big Blue é igualmente conhecida por ser uma empresa que tem, no seu ADN, uma verdadeira responsabilidade social corporativa, o VER falou igualmente com Lara Campos Tropa, Directora de Marketing, Comunicações e Cidadania da IBM Portugal (v. Caixa).

.
.
  © IBM
José Joaquim de Oliveira,
presidente da IBM Portugal
.

 

Rosabeth Moss Kanter afirmou que “desde o inicio que a IBM se considera a si mesma não só como uma empresa de tecnologia, mas também como uma instituição”. Por seu turno, George Colony, chief executive da Forrester Research, sublinha que “ a IBM não é uma empresa de tecnologia, mas uma empresa que resolve problemas de negócios utilizando a tecnologia”. Gostaria que comentasse estas duas afirmações.
Na verdade, a IBM procurou, desde a sua origem, afirmar-se como uma empresa que antecipa o futuro, em linha com as palavras do seu fundador Thomas Watson que acreditava que qualquer problema no mundo teria solução, bastando para isso que o homem pensasse.

E foi seguindo esta ideia basilar que a IBM cresceu, se redefinou e reorganizou ao longo destes cem anos, numa constante adaptação às mudanças gerais pela economia e pela evolução tecnológica. Houve, porém, algo que permaneceu devidamente intacto e enraizado na sua cultura empresarial: os seus valores.

Somos, de facto, uma empresa criadora de tecnologia, desde sempre. Fomos e continuamos a ser pioneiros na criação de soluções, como confirma a liderança sucessiva em número de patentes. Em 2010, fomos líderes de patentes dos Estados Unidos pela 18ª vez consecutiva, registando mais de quatro mil invenções. 

Mas, ao contrário de outros players do mercado, o que fazemos é partir dessas invenções tecnológicas para endereçar e resolver problemas reais da nossa sociedade e do mundo. E fazêmo-lo com a ajuda do talento dos nossos cerca de 400 mil colaboradores e dos nossos parceiros.

Somos, por tudo isto, únicos no nosso sector, além de sermos a primeira empresa de tecnologia a completar cem anos.

Dos 25 colossos industriais que pertenciam ao ranking da Fortune 500 em 1961, apenas dois se mantém, sendo que um deles é a IBM. Que principais motivos elege para esta história de sucesso, nomeadamente no sector da tecnologia, caracterizado por alguma volatilidade e vulnerabilidade?
Deve-se, naturalmente, a uma conjunção de vários factores. Podemos referir os mais marcantes. Em primento lugar, a liderança para o futuro sempre com uma visão de longo prazo, antecipando necessidades e apostando antes de quaiquer outras empresas em novas evoluções. No fundo, marcando o ritmo e as tendências do mercado. Segundo, a permanente reinvenção e a capacidade ímpar de adaptação às condições do mercado global e à evolução da tecnologia.

Outro facto determinante é o investimento em investigação científica, a aposta contínua em inovação, no desenvolvimento tecnológico essencial ao crescimento e à evolução, não apenas da IBM, mas da própia indústria de TI.

Em quarto lugar, a mais recente aposta nos serviços e soluções de valor em detrimento das commodities. Uma opção que se revelou decisiva e é hoje a marca distintiva da Companhia.

Finalmente, o investimento nos colaboradores, no seu desenvolvimento constante, no seu crescimento pessoal e profissional. Ou seja, uma aposta firme, cuidada, no talento e no seu desenvolvimento.
Tudo isto tendo sempre como pano de fundo uma estratégia ganhadora, estratégia essa que se consolidou ao longo dos anos e, presentemente, se dedica à construção de um planeta mais inteligente (Smarter Planet).

São muitos os analistas que elegem a cultura organizacional da IBM como um dos maiores legados do CEO Thomas Watson Jr. Como é que se vão recriando estes valores numa sociedade em constante mutação e, principalmente, nesta era da globalização?
Há seguramente uma marca que nos tem distinguido e que contribuiu decisivamente para sermos a primeira empresa do sector a concretizar cem anos: a nossa capacidade de adaptação constante às mudanças da economia mundial e da tecnologia, combinada com uma liderança global ímpar.
O tempo é, sem dúvida, o melhor teste à sustentabilidade de uma empresa e a IBM é disso mesmo exemplo. Mudamos sempre que o mercado assim o exige, procurando a melhor resposta, a melhor solução, a melhor forma de endereçar os desafios dos nossos clientes.

Mas mantemos, inevitavelmente, as nossas crenças, os nossos valores, enquanto directrizes de uma evolução corporativa sustentável.

Num mundo globalizado – em que o trabalho é distribuído por vastas redes de organizações e indivíduos – as pessoas precisam de algo que as una, que trace critérios para as suas acções e decisões, no fundo que lhes dê um sentido de pertença.

Somos uma empresa que opera à escala global, com presença em cerca de 170 países, numa lógica de empresa globalmente integrada. Isto é, criamos serviços e tecnologias em determinados pontos do globo que, por sua vez são disponibilizados aos outros países onde estamos.

Para a IBM este é um princípio incontornável e admito que são ideias como estas que diferenciam empresas globalmente integradas e centenárias.

Em 2003, os valores da IBM foram “refrescados”, exactamente com o propósito de preparar os IBMers de todo o mundo a fazerem a transição para o século XXI. E foi feito através de um diálogo online. O que pode contar sobre esta iniciativa e sobre os resultados dela provenientes?
Uma das primeiras coisas que o nosso actual CEO Sam Palmisano fez foi iniciar um esforço para reexaminar os nossos valores essenciais. Mas não o fez de uma forma tradicional.

Através de um fórum online, reunimos os colaboradores em todo o mundo durante mais de 72 horas, no que chamámos “Jam”. Foi confuso, apaixonante e controverso... Mas os valores que emergiram não eram “os valores da IBM”...eram os “valores dos IBMers”.

Na verdade, estes valores eram já vivenciados pelos colaboradores e confirmaram estar enraízados na nossa identidade corporativa.

É com base nesses valores que temos conduzido a nossa estratégia de permanente adaptação e mudança. Integrámos globalmente a nossa companhia. Refizémos o portfolio de produtos e serviços... apostámos nos serviços e soluções de valor para o mercado e para os clientes mantendo, contudo, a nossa vertente de inovação tecnológica.

Por isso, acredito que nenhuma destas mudanças teria sido efectiva e sustentável se não tivéssemos primeiro regressado à base, às nossas raízes, à fundação da nossa cultura... e trazê-la de novo para uma nova era.  Este foi um claro regresso da IBM ao contacto com o seu ADN.

A história da IBM pode, de facto, ser vista como uma experiência de um século de como institucionalizar e perpetuar o que faz de nós...nós.

Samuel Palmisano afirma também que se “o negócio tem como base caminhar para o futuro, não se pode estar emocionalmente amarrado ao passado”. A venda da área de negócio dos PC foi encarada como alguma surpresa, mas com excelentes resultados. O que significou para a empresa esta decisão?
A alienação da área de pc’s marcou precisamente o momento de redefinição da estratégia da IBM. O objectivo foi recentrarmos o negócio em áreas como os serviços e soluções de âmbito empresarial.

Gostaria que explicitasse o alcance da vossa área de “solutions for a smarter planet”.
A iniciativa “Smarter Planet” foi apresentada em 2008. Esta iniciativa, que continuamos a desenvolver em todos os países em que a IBM está presente, assenta no princípio de que as TI têm um papel decisivo na sustentabilidade do planeta e na melhoria das condições de vida dos cidadãos.

Considerando que as cidades de hoje consomem aproximadamente 75% da energia do mundo e emitem mais de 80% dos gases que provocam efeito de estufa e desperdiçam cerca de 20% da água fornecida devido a falhas na infra-estrutura... a iniciativa Smarter Planet traduz-se, pois, na procura de soluções inteligentes para a redefinição ou criação de sistemas que ajudem a optimizar e a melhorar as cidades em que vivemos e trabalhamos.

A IBM é um “mundo”. É possível, contudo, enumerar algumas das divisões de negócio nas quais estão a apostar mais na actualidade?
Estamos sobretudo comprometidos com o trabalho no sentido de um planeta mais inteligente. E, nesse sentido, a aposta sustentada nos serviços e nas soluções, mas também em áreas emergentes como o Business Analytics (que permite extrair conhecimento dos cada vez maiores volumes de informação disponível) ou o Cloud Computing (que favorecem uma optimização e eficiência acrescidas) fazem cada vez mais sentido.

O ambiente “cloud” está agora nas bocas do mundo. Como está a IBM a preparar o seu salto para as “nuvens”?
A IBM é pioneira nas soluções de cloud computing, como aliás o confirma a tendência e as concretizações reais de projectos e soluções cloud IBM um pouco por todo o mundo.
Temos ajudados organizações de várias áreas (banca, retalho, saúde, entre outras) a optimizarem os seus recursos
A evolução das TI não se esgotará, porém, no cloud computing.
Há toda uma nova era da computação por descobrir e implementar, ao serviço de soluções inteligentes.
O supercomputador Watson que a IBM apresentou recentemente é, hoje, o expoente dessa mesma nova era da computação, na medida em que demonstra avanços na tecnologia preparados para criar uma nova classe de sistemas que conseguem aprender e falar.

Ora, sistemas que aprendem conseguirão examinar informação estruturada e não estruturada, encontrar correlações, desenvolver hipóteses e sugerir acções. As capacidades do Watson ao serviço de áreas como a saúde, por exemplo, são infinitas... desde a possibilidade de armazenar não só registos médicos electrónicos, mas também toda a informação de um paciente – sintomas, descobertas, notas médicas, consultas e historial de família... através da tecnologia analítica do Watson – muito baseada em ferramentas como o business analytics – será possível fazer uma pesquisa automática de todos os textos, materiais de referência, casos prioritários e todo o conhecimento mais recente publicado em jornais e literatura médica para propôr um diagnóstico mais acertado.

E, sistemas destes são tão mais necessários quanto o mundo em que vivemos é cada vez mais interconectado, instrumentalizado e, consequentemente, inundado de informação. Ao extrair informação de forma mais inteligente e optimizada, estamos certamente a contribuir para a melhoria das condições de vida dos cidadãos em todo o mundo. 

A aposta na educação

.
.
  © IBM
Lara Campos Tropa, Directora de Marketing, Comunicações e Cidadania da IBM Portugal
.

 

Lara Campos Tropa é Directora de Marketing, Comunicações e Cidadania da IBM Portugal. Em entrevista ao VER, a responsável fala dos projectos que mais fortemente têm marcado a politica de responsabilidade social corporativa da empresa em território nacional.

A IBM é reconhecida como uma empresa que realmente possui a responsabilidade social corporativa no seu ADN. A nível nacional, que áreas são mais privilegiadas na vossa política de RSC?
Para a IBM a responsabilidade social e corporativa existe desde a sua origem. Nesse sentido, a educação e o voluntariado ao serviço da educação têm sido as áreas de maior aposta quer global, quer localmente.
Tratam-se de áreas onde podemos aplicar a excelência do nosso conhecimento e das nossas competências, numa lógica de devolução à sociedade.

Falamos pois de projectos como o KidSmart, o EXITE Camp, a eWeek (Semana das Engenharias), o Reading Companion, o Try Science, entre outros.

Coleccionadora de prémios variadíssimos, que projectos constituem o vosso maior orgulho?
O EX.I.T.E (Explorar os Interesses pelas Tecnologias e pelas Engenharias) que organizamos em Portugal desde 2005 é, talvez, um dos expoentes da nossa intensa actividade de Responsabilidade Social em Portugal.

Durante uma semana, voluntários da IBM partilham conhecimento e experiência com alunas adolescentes entre os 11 e os 13 anos e as motivam a desenvolver o gosto pelas áreas da ciência e da matemática. O objectivo final do programa é precisamente contribuir para um equilíbrio de género na ocupação de profissões ligadas às engenharias.

Em Portugal, o EX.I.T.E. vai já para a sua sétima edição, sendo que nos últimos anos a sua realização diferiu num aspecto muito particular, ou seja, o da partilha de conhecimento e de vontades entre organizações que têm em comum uma atitude pró-activa face à responsabilidade social enquanto parte importante do bem-estar da sociedade. Foi neste sentido, que em 2009 e 2010 a IBM realizou o EX.I.T.E. Camp em Campo Maior, em parceria com a Delta Cafés – Coração Delta. Em 2011, esta iniciativa será realizada em parceria com a Área Metropolitana do Porto e a Câmara de São João da Madeira.
Esse reconhecimento tem também acontecido do lado da comunidade académica e científica, na medida em que este programa foi já objecto de interesse e até de investigação no âmbito de teses de mestrado por parte de investigadores nas áreas das ciências sociais e humanas.

Por outro lado, o EX.I.T.E, foi também distinguido pelo Projecto Diálogo Social e Igualdade nas Empresas, como uma referência a seguir, no sentido de um maior equilíbrio de género no mundo do trabalho. O Projecto Diálogo Social e Igualdade nas Empresas, integrado na Iniciativa Comunitária EQUAL, tem como principal linha de acção o desenvolvimento de produtos para Empresas nos domínios da Igualdade de Género, da Conciliação entre Vida Profissional, Pessoal e Familiar e da Protecção da Maternidade e da Paternidade,

Aicionalmente, também a implementação em Portugal do KidSmart Early Learning Program merece um destaque especial. Em Portugal, as parcerias iniciaram-se com a Universidade de Évora e com a APENA (Associação de Profissionais de Educação do Norte Alentejo). Posteriormente, estenderam-se ao Ministério da Educação, entidade privilegiada para identificar as necessidades dos jardins-de-infância e definir quais as situações prioritárias para receber as unidades KidSmart - Young ExplorerTM. No total das nove fases que decorreram entre 2003 e 2010, foram já doadas 450 estações de aprendizagem KidSmart-Young ExplorerTM, abrangendo cerca de 8.000 crianças, de 370 jardins-de-infância das várias Direcções Regionais de Educação: distritos de Évora e de Portalegre (2003); Lisboa e Vale do Tejo (2004); Norte e Centro (2005, 2006 e 2007); Centro, Lisboa e Vale do Tejo e Norte (2008); Lisboa e Vale do Tejo, Centro e Alentejo (2009 e 2010).

Que “sonhos” futuros pretende a IBM Portugal realizar na sua relação com os diferentes stakeholders?
A IBM pretende alargar o seu sistema de parcerias com todos os seus stakeholders, numa perspectiva de melhoria contínua e no sentido de um mundo cada vez mais sustentável.

VER© 2011 - Todos os direitos reservados. Publicado em 29 de Junho de 2011
Partilhar


Comentários



Envie o seu comentário
Nome (*)
E-mail (*)
Cidade/ Localidade
Comentário (*)
O Portal VER reserva-se o direito de publicar ou não os comentários recebidos seleccionando-os segundo os seus critérios de importância e coerência. Comentários considerados como ofensivos serão imediatamente retirados do website.

Partilha Ver
PARTILHAR
 
 
Artigos da NewsLetter
Artigos da Newsletter
Newsletter
Clipping
Receba os artigos, entrevistas e opiniões semanalmente publicados no portal VER
Email:
Parceiros VER
Parceiros VER
Parceiros VER
Questionário VER
Questionário VER

Concorda com um Código de Ética para os economistas?

   Sim 
   Não 
   NS/NR 
Ver Resultados


Mapa do Site
O registo e o uso deste portal implicam a aceitação dos Termos de Utilização do Portal VER (revistos em Novembro de 2007), bem como a sua Política de Privacidade. Portal VER © 2010.
Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo deste site não pode ser replicado, copiado, distribuído ou transmitido sem autorização escrita prévia.
Todos os conteúdos relativos aos parceiros deste site são da inteira responsabilidade dos mesmos.
Os artigos de opinião publicados no Portal são da inteira responsabilidade dos seus autores.